terça-feira, 31 de maio de 2011

Tequila Express: festa mexicana na região de Jalisco.

O Tequila Express

Mariachis

Tequila Express - vagão latino

Agave descascado

El jimador, que desfolha o agave para fazer o tequila

os tequilas

o baile na Casa Herradura
Eu não queria ir de jeito nenhum. Para que mesmo eu ia conhecer uma hacienda de tequila? Para mim parecia perda de tempo e dinheiro. Preferia continuar explorando Guadalajara. Mas fui convencida a ir. Ainda bem, porque conhecer a Casa Herradura foi uma experiência muito divertida.

Tudo começa na estação de trem exclusiva para os tequileiros viajantes. Podemos escolher se queremos ir no vagão que fale inglês ou espanhol. Preferimos o espanhol para manter o clima. Afinal estávamos no México. Tinha bastante gente para embarcar e depois que fizemos o check-in, esperamos na estação a chamada para o embarque. E foi então que ouvimos os primeiros acordes. Levantamos e vimos eles, os emblemáticos mariachis. Juro que me senti entrando em um filme tipo A Balada do Pistoleiro. Fiquei pensando que a qualquer momento o Ligeirinho iria aparecer por ali.

Foi emocionante. Nos reunimos em torno deles e os flashes pipocaram. Só não saimos bailando, porque ainda estávamos todos muito tímidos. Embarcamos. E antes mesmo do trem começar a se movimentar nos trilhos, já estávamos sendo servidos de tequila. Prefere shot, ou enlatado (misturado com refrigerante)? E assim foi, o caminho inteiro, cerca de 2 horas, até o munícipio de Amatitán: tequila à vontade e petiscos.

Se conseguir chegar inteiro na Hacienda San José del Refugio - Casa Herradura, prepare-se para um tour. Aprendemos um pouco sobre o processo de plantio e de colheita do agave  - a planta que fabrica o tequila  - (sim, tequila é um substantivo masculino) e da fabricação da bebiba. Comemos doce feito com planta e conhecemos o jimador, que colhe o agave (parece um grande abacaxi). Descobrimos ainda os diversos tipos de tequila, um museu sobre antigos processos e um senhorzinho que trabalha lá e que é fã da seleção brasileira da Copa de 70.

Findado o tour, é hora do baile e do almoço. Em um imenso galpão, com grandes mesas, um enorme buffet com todo tipo de comida mexicana e mais tequila. Enquanto almoçamos e trocamos ideias com os outros integrantes da mesa - colombianos, bolivianos,americanos e mexicanos - assistimos um baile folclórico. E depois, nós vamos para o centro da pista e é nossa vez de bailar ao som dos mariachis. É tudo uma grande festa mexicana.

E no fim da tarde, infelizmente é hora de voltarmos para Guadalajara. Mas no trajeto de volta, mais mariachis e mais tequilas. E como a esta altura todo mundo já é "melhor amigo", a festa continua rolando solta no trem.

http://www.tequilaexpress.com.mx/