terça-feira, 9 de abril de 2013

La Candelaria, Bogotá, Colômbia


O colorido das casas e os balcões são predominantes nas casas da região histórica

A região está bem preservada
A região histórica de Bogotá, conhecida como La Candelaria, está bastante preservada. Tudo começa na Plaza Bolívar e se ramifica por várias ruas e ladeiras. Quase não passa carro, o que nos permite andar com muita tranquilidade. É também bem policiado, mas nunca é demais ficar atento.

Um restaurante à esquerda, o Monserrate ao fundo e ambulantes à direita.
Na região antiga da cidade você tem diversas opções: desde caminhar pelas ruas para conhecer a arquitetura colonial, entrar no diversos museus, sentar em uma das unidade da famosa cafeteria local - Juan Valdez - almoçar comidas típicas, olhar as pessoas que circulam pela região, ou tudo isso. Só não tenha pressa, porque Bogotá é uma das cidades mais culturais da América do Sul e sua história é contada aqui de diversas formas.

Bonecos de lixo reciclado enfeitam os balcões

Close dos bonecos feitos com lixo reciclado.
A arte está em toda parte: nos ambulantes que vendem seus artesanatos, nos balcões dos casarões antigos, com representações de pessoas feitas com lixo reciclado, nos prédios preservados que nos dizem quem eram os antigos bogotanos e como viviam e nos artistas de rua que fazem seus shows.


Teatro Colón, inspirado no de Buenos Aires.
Conhecer a história de uma cidade através de seus prédios é muito interessante. Símon Bolívar em um determinado momento estava em casa com sua amante Manuela Saenz e para escapar de ser morto, contou com a astúcia e inteligência da mulher, que o mandou fugir pela janela, enquanto ela aparecia em trajes de dormir, constrangendo os invasores que foram buscar o libertador em outro local.

Janela que possibilitou a fuga de Bolívar

Casa de Manuelita
Inclusive Manuelita vivia em um casa, na esquina próxima a do amante, para ficar de olho nele. Além dos prédios, em La Candelaria ficam museus ótimos, que também contam histórias, de diversas formas: através de roupas, de fatos, de quadros e até das moedas que já circularam no país.

A Casa da Moeda - a história de Bogotá contada através de sua economia
A Casa da Moeda é um passeio pela economia do país, mostrando as moedas que circularam e como isso influenciava na sociedade e no comportamento. Como tudo funcionava e a evolução. É um museu muito rico de informações. É um pouco cansativo porque as explicações são muito longas em paineis escritos. Se você faz a linha detalhista reserve bastante tempo para este lugar.


La Pareja Bailando

El Presidente
Sem dúvida, o Museu Botero é um dos meu preferidos. Eu adoro os gordinhos do artista. Aliás, gordinhos não: larguinhos. O autor conta um pouco da vida cotidiana e política do país através de suas pinturas. Elas são fortes e intensas. A minha dica aqui é a seguinte: na entrada há sempre guias disponíveis. Aceite ser acompanhado por um que vai te contar um pouco sobre o artista e sobre alguns de seus quadros e depois te deixar à vontade para apreciar em seu próprio tempo. Eu gostaria de ter ido todos os dias a este museu.

Além dos quadros, Botero também criou esculturas sensacionais. Tanto a Casa da Moeda quanto o Museu Botero, tem entrada gratuita e fazem parte dos Museos del Banco de la República, assim como alguns outros.

Uma das esculturas de Botero, em bronze

O casarão onde funciona o Museu Botero. Além de apreciar a obra do artista ainda conhecemos era a estrutura das casas na época colonial.
Centro Cultural Gabriel García Màrquez, onde fica, entre outras coisas, uma ótima livraria e uma das unidades do Juan Valdez
La Candelaria é isso e muito mais. Não deu tempo de fazer tudo o que eu queria. Tem muito lugar para visitar e muito museu para ir, prédio para ver, comida para experimentar. O que ficou desta visita foi a certeza de que tenho que voltar para conhecer mais desta adorável cidade.