terça-feira, 19 de agosto de 2014

A Fábrica de MOAIS (no vulcão RANO RARAKU), Ilha de Páscoa, Chile


Ilha de Páscoa, o que fazer

Um dos lugares mais misteriosos da Ilha de Páscoa, repleta de mistérios, é a fábrica de moais, no vulcão Rano Raraku. O local é chamado assim porque aqui eram talhados os tão impressionantes moais.

O que fazer na Ilha de Páscoa
Vulcão RANO RARAKU, visto de fora, com os moais
Para conhecer este sítio arqueológico, decidimos contratar uma agência de viagem com guia através do hotel que estávamos hospedados. Eles passaram para nos pegar às 09:00 da manhã. Havia brasileiros e estrangeiros na van.

Aqui também há um pequeno posto de controle, pois a entrada é paga (lembra da dica de comprar no aeroporto as entradas?)e uma pequena loja onde é possível comprar lembrancinhas.
O que fazer na Ilha de Páscoa
A Fábrica de Moais e seus mistérios

O que fazer na Ilha de Páscoa
Fábrica de Moais

O que fazer na Ilha de Páscoa
Face externa do vulcão com os moais
Visto de longe, o vulcão parece uma montanha qualquer. A paisagem é linda, mas não me impressionou de imediato. Entretanto, à medida que fomos nos aproximando do Rano Raraku, tudo mudou.
Começamos a vislumbrar os moais em diversos estágios de construção, alguns deles inacabados, outros finalizados, alguns deitados, enquanto outros já de pé. 
Acredita-se que aqui eram esculpidos esses famosos caras de pedra e que os escultores trabalhavam muitas horas nesse trabalho. Imagina-se que eles eram construídos deitados, escavando-se a parede do vulcão e depois, de alguma forma, levantados e transportados para os diversos cantos da ilha.
Como? Como? COMO? Essa é a pergunta cuja resposta ninguém sabe com absoluta certeza, mas especula-se que eram necessários muitos homens para esta tarefa e que o índice de mortalidade era alto por conta do exagerado esforço.

Há muitas lendas que tentam explicar como os moais eram feitos e todas elas são muito interessantes, mas a verdade é que há muitas perguntas e quase nenhuma resposta. 
O que fazer na Ilha de Páscoa
Os moais em diversos estágios 

O que fazer na Ilha de Páscoa
Eles são impressionantes
O que fazer na Ilha de Páscoa
Um moai não se parece com o outro

O que fazer na Ilha de Páscoa
Podemos caminhar entre eles

O que fazer na Ilha de Páscoa
Distintos estágios da fabricação

O que fazer na Ilha de Páscoa
Os Moais na encosta do vulcão RANO RARAKU

O que fazer na Ilha de Páscoa
Como eles eram transportados?

O que fazer na Ilha de Páscoa
Por que foram abandonados?

O que fazer na Ilha de Páscoa
Eles eram esculpidos nas pedras do vulcão. Estima-se que eram muitos os que faziam este trabalho

O que fazer na Ilha de Páscoa
A Fábrica

O que fazer na Ilha de Páscoa
Moais sendo entalhado na montanha

O que fazer na Ilha de Páscoa
Lendas e mistérios

O que fazer na Ilha de Páscoa
Cada moai tem sua particularidade

O que fazer na Ilha de Páscoa
Diversas fases de produção
O que mais me chamou a atenção é que nenhum moai é igual ao outro. Cada um deles tem sua identidade, sua expressão, parece nos olhar com uma intensidade muito particular, própria. Eles se parecem, mas absolutamente são iguais. 
Enquanto caminhávamos entre eles, o guia foi contando algumas lendas sobre a fábrica, algumas teorias sobre o que pode ter acontecido por aqui. Aliás, foi uma decisão muito acertada ter resolvido visitar este sítio arqueológico com um guia.

Fiquei observando aquelas estátuas em suas diversas etapas de construção e me preguntando o que teria acontecido. É como um lugar fantasma que parece ter sido abandonado às pressas, sendo os moais deixados para trás, de qualquer jeito. 

O que fazer na Ilha de Páscoa
Face externa do vulcão RANO RARAKU onde eram esculpidos os moais

O que fazer na Ilha de Páscoa
A cratera do Rano Raraku

O que fazer na Ilha de Páscoa
Dentro do vulcão Rano Raraku

O que fazer na Ilha de Páscoa
Rano Raraku

O que fazer na Ilha de Páscoa
Rano Raraku

O que fazer na Ilha de Páscoa
Rano Raraku

O que fazer na Ilha de Páscoa
Rano Raraku
O que fazer na Ilha de Páscoa
A cratera do Rano Raraku com vista para a parte externa onde eram esculpidos os moais
Depois de andarmos bastante e livremente pela fábrica de moais, fomos até a face interna do vulcão Rano Raraku. Não parece que estamos dentro de um vulcão, que mais parece um grande lago, mas o fato é que estávamos em uma cratera de vulcão e isso teve um peso para mim. Achei incrível estar ali dentro.  
Esta foi apenas a primeira parte do dia, que estava longe de acabar. Ainda havia muitos lugares para conhecer e muitas lendas para ouvir nessa ilha tão interessantemente inquietante.