segunda-feira, 27 de outubro de 2014

ARMOURY CHAMBER e arredores, MOSCOU, Russia

Em nosso segundo dia em Moscou, começamos a visitar alguns lugares clássicos da cidade. O primeiro de todos, que me causou forte impressão, foi o Armoury Chamber (câmara de arsenal), localizado ao lado do Kremlin.

Entrada para o Kremlin e Armoury Chamber
O Armoury é um dos museus mais antigos da cidade e abriga os seculares tesouros russos. Nas bilheterias compramos os ingressos que custam 700 rublos cada (cerca de R$42,00) e tem hora marcada. Para ter acesso ao pátio (foto acima) há uma revista de bolsas e mochilas e raio X. Aguardamos então a nossa hora para entrarmos no museu.

Entrada para o Armoury Chamber com o Kremlin atrás e pessoas esperando sua hora de entrar

Entrada para o Armoury Chamber
Somos admitidos diretamente na lojinha, cheia de souveniers, mas a saida é pelo mesmo local, então as compras podem esperar. Ali também estão os audioguias que são gratuitos e contam a história de alguns objetos expostos no museu que estão divididos em diversas salas, em dois andares. O percurso sugerido é começar pelo primeiro andar e terminar com as salas do térreo. O museu fica lotado de gente e nas câmaras mais famosas é preciso ter paciência para chegar mais perto.

A primeira coisa que eu vi foi uma longa e bela escadaria. Subi por ela, degrau a degrau, com calma, aproveitando cada momento, tentando reter em minha memória aquilo que não poderia fotografar. O acervo é enorme e confesso que nunca vi tanto luxo, tanta opulência, tanta beleza e ostentação em um só lugar. Eu fiquei sem fôlego.

Entre muito objetos espetaculares estão os famosos ovos Fabergè com suas surpresas dentro. Coroas de Czares famosos como Ivan III, carruagens como da Czarina Catarina. Tronos, conjuntos de almoços e jantares em ouro. Bíblias cravejadas de enormes pedras preciosas, belos trajes e armas. O que mais me impressionou foram os presentes enviados pelo antigo império alemão (Hamburgo), por causa dos detalhes.

Reserve cerca de 1 hora e meia para a visita.

Jardim, chamado Alexander Garden, na saida do Armoury Chamber
Alexander Garden

Alexander Garden que margeia a parede oeste do Kremlin

Alexander Garden
Sai do Armoury maravilhada e fomos pelo Alexander Garden, com suas flores muito coloridas em diversas tonalidades, que margeia a parede oeste do Kremlin, em direção à Praça Vermelha. No caminho estava a Tumba do Soldado Desconhecido. 

Tumba do soldado desconhecido
Na tumba estão os restos mortais de um soldado que morreu no lugar mais próximo onde os nazistas conseguiram chegar em Moscou, em 1941. Há uma inscrição onde é possível ler: "seu nome é desconhecido, mas suas ações são imortais", uma chama constantemente acesa e dois soldados protegendo o local.

Praça Vermelha fechada
Para minha decepção a Praça Vermelha estava fechada. Ainda tentamos descobrir a razão, perguntando a um policial que estava próximo à grade, mas, muito sisudo, ele apenas respondeu em um inglês carregado de sotaque: It´s closed! E não nos deu mais atenção. 

Igreja de Kazan
Na esquina da Praça Vermelha, fica a Igreja de Kazan, uma pequena joia em tons de barro parecendo feito em várias camadas. Ela foi construída em 1625 e destruída em 1936 por Stalin. Esta é portanto uma réplica reconstruída em 1993. 

Por dentro ela é um quadrado, com um pequeno altar na lateral direita, um local para compra de velas ao fundo e um corredor do lado esquerdo. O que me chamou a atenção aqui é que na entrada há lenços disponíveis para que as mulheres cubram a cabeça. Não há ninguém que te obrigue a fazer isso, mas pode ser um sinal de respeito fazê-lo.

Barraquinhas de rua
Pausa para o almoço (comemos nas fofas barraquinhas de rua) e hora de decidir quais seriam os nossos destinos para o resto daquele dia, mas isso é história para outro post. 

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

DESCOBRINDO MOSCOU: caminhando por suas RUAS e apreciando seus PRÉDIOS famosos:

Demorou para cair a ficha de que eu estava na Russia. Sempre me pareceu um pais hostil e cheio de gelo, com um frio capaz de ganhar guerras. Mas o acaso me levou àquele país. Era hora de começar a exploração.

Primeiro dia em Moscow
No primeiro dia não visitamos nada, apenas caminhamos pelas ruas, no entorno da Praça Vermelha, para sentir a atmosfera e a temperatura da cidade, observar seus habitantes, sua arquitetura e sua dinâmica.

O primeiro símbolo da Russia que nós vimos foi o prédio da antiga KGB (Komitet Gosudarstvennoy Bezopasnosti ou Comitê de Segurança de Estado), o destino de milhões de vítimas do ditador Stalin na década de 30. 

Prédio da KGB - antiga polícia secreta russa
O enorme prédio amarelo e quadrado, está situado na praça Lubyanka e me confundiu, pois esperava alguma coisa no estilo cinza "arquivo de escritório". A KGB, que foi personagem em tantos filmes americanos assistidos em minha juventude, não existe mais. Hoje chama-se FSB - Serviço de Segurança Federal. Um russo que conhecemos por lá  o comparou com o FBI - Federal Bureau of Investigation, o órgão americano. 

Rozhdestvenka Street ou рождественка улица em cirílico 

Nikolskaya Street ou Никольская улица
Fomos então para a rua Rozhdestvenka (рождественка em cirílico): um calçadão com lanchonetes como a Subway, cafeterias, lojas e pessoas caminhando. A temperatura estava muito agradável, em torno dos 17 graus com sol e céu azul.

Passamos pela Nikolskaya Street (Никольская улица em russo) onde pudemos apreciar um pouco mais da arquitetura moscovita: imponente e solene com seus traços predominantemente quadrados e prédios baixos. Atravessamos o calçadão Nikolskaya e chegamos ao outro símbolo russo: o teatro Bolshoi.

O Teatro Bolshoi

O Teatro Bolshoi

Theatre Square
Quando eu bati o olho no teatro eu o reconheci. Ali estava ele: o maravilho e famoso Grande Teatro, fundado em 1825, na Theatre Square. Aqui, paramos um momento: esta lenda da arte mundial merecia ser apreciada com calma, sem pressa. Sua beleza merecia toda a nossa atenção.

Em 1877, O Lago dos Cisnes, de Tchaikovsky, teve sua premier no Bolshoi. Sem sucesso!

Uma pena não termos conseguido ingressos para nenhum espetáculo. Costumam esgotar com cerca de quatro meses de antecedência. É possível comprar pelo site: http://www.bolshoi.ru/.

DUMA - O Parlamento russo

Praça Vermelha
Caminhamos até o Duma - Russian Parliament: um prédio cinza, austero e sério. De costas para o Duma vemos a Praça Vermelha.

Tverskaya Street ou Тверская улица

Prefeitura de Moscou
Seguimos para umas das principais avenidas de Moscow: Tverskaya Street ou Тверская улица. É uma avenida larga onde os motoristas passam em alta velocidade. 

Aqui, no número 14 está o Yeliseyevsky Supermarket, um mercado da era czarista. Ele é belíssimo por dentro. Foi difícil de encontrar pois a entrada é uma portinha discreta. Há muitos bons produtos para comprar, mas o mais interessante não se pode comprar e nem fotografar: seu design interior, seu teto, sua atmosfera antiga.

O Moscow mayor´s officce (prefeitura) também fica na Tverskaya, 13. Vermelho, ele logo chama a atenção.

Fundador da cidade de Moscou - Yuri Dolgoruky em 1147

Detalhe da Tverskaya Square

Tverskaya Square
Em frente à prefeitura está a Tverskaya Square. Como tudo o que vi na cidade, esta praça também é muito bem cuidada, limpa, cheia de flores e detalhes. Há barraquinhas de comida e a estátua do fundador de Moscow: Yuri Dolgoruky.

Alamedas que convidam a um passeio sem pressa
Encerramos o dia tomando chá no Café Pushkin e comprando lanche nas barraquinhas de rua. Foi um agradabilíssimo primeiro dia na capital russa: a cidade é plana, arborizada e tranquila para se passear.

O mais IMPORTANTE é ter em mãos um mapa com o nome das ruas em russo e outro em inglês porque todos os nomes das ruas estão em cirílico. 

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

ONDE trocar EUROS (ou dólares) por RUBLOS em MOSCOU na Russia:

Bank ou Банк
Eu costumo levar dinheiro em espécie quando viajo, porque assim controlo melhor os meus gastos. Levo também cartão de crédito para alguma emergência. Como parte da Russia fica na Europa (e tive 12 horas de conexão em Madrid) optei por levar euros.

Em Moscou foi fácil fazer câmbio. O rublo é a moeda local. Há bancos em muitos lugares, inclusive próximos a pontos turísticos, o que facilita e muito a nossa vida. Fique de olho em letreiros luminosos, como o da foto acima, que indicam que ali há um Банк (banco) onde você pode trocar dinheiro.

Em algumas estações de metrô também tem casas de câmbio. Nós trocamos na estação Paveletsky e o valor foi somente um pouco pior que em outros lugares.

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

ONDE encontrar as DELÍCIAS russas em MOSCOU e algumas encantadoras HISTÓRIAS:


Lindas barraquinhas de rua na Tverskaya Square

Os russos são muito cuidadosos com os detalhes: Tverskaya Square

"Esfiha" de carne 

Uma espécie de torta salgada grande com recheio
BARRAQUINHAS DE RUA: lindas e charmosas elas estão em muitas praças de Moscou, incluindo a Praça Vermelha. Há uma boa variedade de comida, desde aquelas para levar para casa como pães e o que pareciam ser compotas e outras para comer ali mesmo, ao ar livre.

A dificuldade aqui é a comunicação: só encontrei pessoas falando russo e toda a descrição da comida também estava em russo. O jeito foi escolher pela aparência do que estava exposto. Foi assim que eu descobri a esfiha ou ПиРожок (50 rublos em média) mas havia muitas outras opções e valores.

E em alguns lugares, como na Praça Vermelha há mesas disponíveis para os comensais

Barraquinhas na saída da Estação de Metro Barrikadnaya (Баррикадная)
Aqui cabe uma breve história: nas barraquinhas da estação de metrô Barrikadnaya (Баррикадная), diante da dificuldade de comunicação, que não avançava, a simpática atendente abriu um salgado para vermos o que havia dentro e logo em seguida abriu outro. Antes que ela abrisse todo o estoque, compramos os dois que ela abrira, apesar da insistência em nos vender salgados inteiros.

Diante de minha negativa para esquentá-los, a outra atendente segurou meu pulso e encostou o salgado em minha mão para que eu percebesse o quanto ele estava gelado e precisava ser aquecido. Juro que fiquei comovida com tanta presteza.

Red Square com o shopping GUM ao lado direito da foto
SHOPPING GUM (Red Square): o enorme e elegante shopping fica na Praça Vermelha, principal cartão postal da capital russa. Ao longo de seus corredores e andares há muitos cafés como o Café Armani, que são mais caros.

Blini (блины) com caviar vermelho

Lindos talheres no detalhe

Balcão de blini no último andar do Shopping GUM

Onde os blinis são feitos

Arroz Pillaf com carneiro

O restaurante do arroz pillaf estilo buffet
No último andar do GUM há restaurantes para bolsos mais modestos como o meu. Cada arco é um local com um tipo de comida e as mesas atendem a todos. Tem opções como o блины onde experimentei as panquecas russas (blini - 250 rublos o de caviar vermelho) e o Asian Buffet onde comi o arroz pillaf (190 rublos).

No Asian funciona assim: selecionamos o que queremos do buffet e uma pessoa nos serve. Ao final, o caixa nos mostra o valor, que depende de nossas escolhas. Não é por peso e sim por porção e tipo de comida preferida. Este sistema é bom porque só precisamos apontar para o prato.

O shopping GUM por dentro, no corredor dos restaurantes
Há outros restaurantes neste quarteirão de comida ou food court como burguers e sopas. A excelente localização do shopping nos dá uma ótima opção para almoçar e jantar já que podemos passar muito tempo turistando por esta área.

Café Pushkin

Café Pushkin: cardápio. A esfiha é traduzida por home-made baked pies.

Um chá fica mais gostoso em uma linda louça

Salgados russos: lembram nossas esfihas e pasteis de forno

A vitrine de doces do Café Pushkin

Café Pushkin

A entrada do Café Pushkin
CAFÉ PUSHKIN (Tverskoy Boulevard 26A, Moscow) - aberto em Junho de 1999 por causa de uma música francesa chamada Natalie, tem decoração inspirada na Russia pré-revolução.

O café tem mesmo um ar antigo e requintado. Nós o visitamos em um fim de tarde para tomar um chá que foi servido em uma bonita louça e estava impecável em termos de sabor e temperatura. Os doces na vitrine pareciam mini obras de arte e os salgados (entre 120 e 210 rublos) estavam deliciosos. 

O atendimento foi ótimo e quem embalava o ambiente era o brasileiro Tom Jobim. Havia cardápio em inglês e a garçonete falava a língua muito bem. 

Banheiro do Café Pushkin

Os detalhes do banheiro do Café Pushkin
Ar antigo
Mesmo optando por não jantar no restaurante (http://www.cafe-pushkin.ru/en/), fui ao banheiro e aproveitei para dar uma espiada pelos outros ambientes, que são realmente muito bonitos, com um ar secular e sofisticado.

КоФе Хауз cafeteria
КоФе Хауз:  o melhor café que eu tomei na Russia foi nesta rede local. O café é forte comparado aos outros que bebi (http://www.coffeehouse.ru/). Em algumas unidades encontramos pessoas falando um inglês rústico mas que ajudou na comunicação.

КоФе Хауз endereços em Moscou
Esta rede tem muitas unidades, que ficam próximas a pontos turísticos. Entramos em uma perto da Praça Vermelha (Nicholas Street., 11/13 ou николоямская  ул., 11/13) logo no primeiro dia em Moscou. Estávamos exaustos depois de muitas horas de voo, mas não queríamos perder tempo dormindo. 

Pedimos o expresso (que tem três tamanhos distintos) e o saboreamos felizes. Quando veio a conta percebemos que não tínhamos rublos suficientes para pagar. O jeito foi deixar o constrangimento de lado e explicar a situação para a garçonete já que o café não aceitava cartão de crédito e nem euros. Através de muita mímica, ela, sempre simpática, nos indicou um lugar próximo para trocar dinheiro. 

Meu nome em russo até que não fica muito diferente

A rede americana marca presença no pais
STARBUCKS COFFEE: para quem é aficcionado pela rede americana, ela também está no país. O mais divertido de tomar um café aqui é ver como fica seu nome em russo. 

O da foto fica próximo à estação de metrô Paveletskaya (Павелецкая) mas há vários outros endereços (http://starbuckscoffee.ru/ru/)

Bruscheta de salmão: o pão eh bem fininho

pizza de salmão: não vem queijo e nem molho de tomate

Cardápio em inglês 

Mais opções no cardápio

Salada com ovo pochê e salmão
PIZZA EXPRESS (Большая Садовая ул., 6c2, Moscow, Rússia, 123001): entramos no Pizza Express (http://pizzaexpress.ru.com/) por acaso. Estávamos na região e achamos a cara simpática. Entramos e nos conduziram para a varanda externa no segundo andar que ficava de frente para um parque. A noite estava agradável e fria. Jantar olhando para a natureza é bom demais. O único inconveniente é que era área de fumante. Por sorte só uma pessoa acendeu um cigarro.

A comida estava boa e o atendimento foi simpático: havia uma garçonete que se virava no inglês. 

Uma das unidades TEPEMOK em Moscou
TEPEMOK: está em todo o país. É uma rede de fast food (http://www.teremok.ru/), com formato muito parecido com as redes mais tradicionais que existem no Brasil, embora as comidas sejam bem diferentes  O forte do Tepemok são os blinis e as sopas.

De novo a questão aqui é a comunicação. A solução foi apontar para uma das fotos do painel e para o prato do vizinho. Seja qual for a opção a chance de nunca descobrirmos o que estamos comendo é enorme. Eu não descobri, mas gostei muito de minha escolha.

Hard Rock Cafe

Hard Rock Café Moscow
HARD ROCK CAFE: (Ulitsa Arbat, 44, Moscow, Rússia ou Улица Арбат, 44, Москва, Россия): o Hard Rock não costuma ser uma opção de refeição, mas costuma ser uma opção para compra de camisa com o nome da cidade. Como era mês de meu aniversário e a sobremesa era de graça, almoçamos por aqui.

Foi um momento globalização: almoçar comida mexicana, em um restaurante inglês, situado em uma cidade russa, ao som de música colombiana. 

O atendimento nos restaurantes de Moscou foi muito simpático e gentil. Quando não havia ninguém que falasse inglês, eles tentavam nos ajudar de alguma forma. Quando havia, tudo ficava bem mais fácil. 

Quase nunca o serviço era rápido, mas para quem está de férias não costuma ser um motivo de aborrecimento. Ainda mais quando percebemos que é uma questão local.