quarta-feira, 1 de outubro de 2014

À PRIMEIRA vista a Rússia pode ser ASSUSTADORA e à SEGUNDA também, mas depois descobrimos que é mais FÁCIL do que podemos imaginar:

O que fazer na Rússia

Chegamos à Rússia por Moscou: pousamos no Domodedovo, o principal aeroporto de Moscou, às 06:00 da manhã, ansiosos com o que iríamos encontrar naquele país que ainda tinha muito de misterioso.

O controle de entrada foi muito tranquilo. O agente não nos perguntou nada, apenas olhou a foto do passaporte, comparou conosco, digitou algumas coisas no computador, imprimiu um Migration Card  e carimbou nossa entrada. Quando ele fez isso, eu respirei fundo: nossa aventura começava ali!

O Migration Card deve ficar junto com o passaporte e ser devolvido na saída do país. Em nossas pesquisas pré-viagem lemos que a polícia russa costuma ser corrupta, solicitando os documentos dos turistas e uma vez com eles em mãos, só devolve mediante pagamento de propina.

Na dúvida, para evitar qualquer tipo de problema, quando chegamos ao hotel tiramos xerox do passaporte e do Migration Card para serem apresentados caso fossem solicitados. Mantivemos os originais guardados. Por sorte, nada disso aconteceu e em nenhum momento vivenciamos qualquer tipo de insegurança no país.


O mais legal do Migration Card é descobrir como fica nosso nome em cirílico.

O que fazer na Rùssia
O Domodedovo - posto de informação, mas apenas sobre voos e o aeroporto: quase nenhuma das atendentes falava inglês.
As bagagens demoraram um pouco a chegar à esteira. Enquanto esperávamos, trocamos euros por rublos, para as primeiras despesas, ainda na área de desembarque, mas no saguão o câmbio é um pouco melhor. Fora do aeroporto, na cidade, como geralmente acontece, a cotação é bem melhor e tem uma casa de câmbio em cada esquina.


Sempre que pousamos em alguma nova cidade a primeiríssima coisa que fazemos é buscar um posto de informação turística. Pois é! Mas no Domodedovo tal facilidade não existe. O jeito foi olhar em volta e buscar por sinalizações. Isso, ainda bem, existia!

O que fazer na Rússia
Máquina para a compra dos bilhetes aeroexpress - opção em inglês
O aeroporto fica distante cerca de 42 quilômetros do centro de Moscou e fomos até lá de aeroexpress. O trem sai a cada meia hora e leva 45 minutos para chegar até a estação final Paveletsky, sem paradas.


O bilhete custou 400 rublos para a classe econômica (cerca de R$24,00) e 900 rublos para business class (cerca de R$54,00) e é possível comprar nas máquinas dispostas no Aeroporto Domodedovo. É fácil, tem a opção em inglês e só aceita cédulas como pagamento.

O que fazer na Rússia
O aeroexpress 
O que fazer na Rússia
O aeroexpress: classe econômica
Escolhemos a classe econômica que é muito confortável e limpa. Tem muitos vagões e o sistema de poltronas é: duas de um lado e três do outro. Há lugar para bagagens tanto acima das poltronas, como na parte da frente de cada vagão.

Aqui, cabe o mesmo princípio dos trens em outros lugares: o espaço é limitado, o que significa que malas grandes podem ser sinônimo de problema. O serviço de bordo, como frequentemente acontece, é pago e caro.

Para ter acesso à plataforma é só passar o código de barras do seu bilhete no leitor da catraca. IMPORTANTE: é preciso guarda-lo, pois para sair da plataforma precisamos passar pelo leitor novamente. Se perder terá que comprar outro bilhete.


O aeroexpress costuma ficar do lado esquerdo, depois que passamos da catraca, mas não custa nada confirmar não é? Vai que alguma coisa muda? Basta mostrar seu bilhete a qualquer funcionário ou passageiro e perguntar "Mockba?" e terá sua resposta.

O que fazer na Rússia
A belíssima paisagem do fim do verão vista do aeroexpress

O que fazer na Rússia
Bem vindos à Moscou ou MOCKBA
A estação de trem está ligada à estação de metrô. Como nossa estação final era mesmo a Paveletsky, pois nosso hotel ficava aí, buscamos a porta de saída. Se a sua não é essa você poderá pegar o metrô para seu hotel. O problema aqui é: toda a estação de metrô está em cirílico.


Pode olhar por todos os cantos e você não encontrará nada parecido com Paveletsky. O nome em russo é  Павелецкий. E é esta informação que você tem que ter em mãos. Não espere também nenhuma ajuda no metrô. Não por má vontade do russo, mas porque dificilmente você vai encontrar alguém que fale inglês.

Ponto de Informação Turística com a mocinha ao fundo fechando a porta
Ao sairmos da estação, eu quase chorei de alívio quando vi aquele enorme I na minha frente: UM POSTO DE INFORMAÇÃO TURÍSTICA!! A minha SUGESTÃO aqui é: mesmo que sua parada final não seja a Pavletsky, antes de pegar o metrô, saia nela para buscar informações no posto de informação para turistas.

Há mapas do metrô com o nome das estações em cirílico ou no nosso alfabeto (o romano), além de mapas com nomes nos dois alfabetos. 

ATENÇÃO: é o mapa que tem os nomes das estações em cirílico e em romano que nós queremos. Acredite: ele foi nosso melhor amigo enquanto estivemos em Moscou.

Quanto ao mapa com o nome das ruas, só encontramos em cirílico ou no nosso alfabeto. Então o jeito foi andar com dois mapas.

Tivemos então o nosso primeiro contato com a gentileza russa. A mocinha não falava inglês muito bem, não conhecia nosso hotel e não sabia ler mapas direito.

Depois de pesquisar aqui e acolá no computador, perguntar a outras pessoas, para nossa surpresa, ela fechou o posto e saiu com a gente até encontrar a rua de nosso hotel. Naquele momento tive a certeza que nossa aventura seria surpreendente e maravilhosa.

IMPORTANTE:  um dos mapas de Moscou que nós pegamos, cita outros postos de informações turísticas:

·                     Museum of Patriotic War of 1812 - Revolyutsii Sq, 2/3;
·                     Leningradsky railway terminal - Komsomolskaya Sq.,3;
·                     Kiyevsky railway terminal - Kiyevskogo Vokzala;
·                     Belorussky raiway terminal - Tverskaya Zastava Sq., 7;

·                     Vnukovo Airport - Vnukovo, 2th, Reysovaya St. 2, block 2