terça-feira, 6 de janeiro de 2015

CATEDRAL DO CRISTO SALVADOR e mais algumas coisinhas, MOSCOU, Russia:

Tivemos a sorte de pegar dias lindos em Moscou. A temperatura estava agradável, em torno dos 18 graus com céu muito azul e sem nuvens. 

Quando saímos da casa de Gogol, seguimos calmamente em direção à Catedral do Cristo Salvador ( ulitsa Volkhonka, 15) inaugurada em 1883.

Pelo caminho havia interessantes esculturas. Havia interessantes esculturas pelo caminho

Passarelas não tão interessantes pelo caminho mas que dão identidade à cidade

Já que não há pressa, uma parada para um cafezinho
Olhe no mapa e descubra qual o seu caminho até a Catedral. No nosso, nos deparamos com esta interessante escultura de cavalos afogando-se como se estivessem em uma batalha, passagens arborizadas, passarelas e uma cafeteria. Já que não havia pressa, paramos para um cafezinho.

Como gosto de café com adoçante, tive uma certa dificuldade neste quesito. Cheguei a tirar uma foto de um adoçante para mostrar sempre que houvesse necessidade, mas percebi que muitos achavam que estava pedindo aquela marca específica. Com um pouco de mímica e insistência, às vezes conseguia o que queria. Em outras não tive outra opção a não ser desistir.

A Catedral do Cristo Salvador em toda a sua singela beleza
Detalhe de uma das duas cúpulas douradas
Quando chegamos à bela Catedral branquinha, com sua cinco cúpulas douradas, que fica às margens do Rio Moscou, passava um pouco das 17 horas. Não havia muito movimento na entrada e nem no entorno. A entrada é gratuita. Temos que passar por um detector de metais e por uma revista de bolsas/mochilas.

O interior desta Igreja Ortodoxa Russa é um dos mais bonitos que eu já vi em um templo religioso. Ela é clara e não é opressiva. Ao contrário, nos inspira com tantos sublimes afrescos. O da cúpula principal nos dá a sensação de que estamos de fato olhando para o céu e de que os anjos estão nos mandando muitas energias poderosas e positivas. 

Tivemos a sorte de estar começando uma missa. Eu não sou religiosa, mas tenho uma profunda curiosidade por rituais. Estou acostumada a ver as praticas religiosas da Igreja Católica Romana e foi com muito interesse que observei as diferenças (que são muitas) entre cultos de uma e outra igreja. Sugiro que você inclua em sua agenda assistir a uma missa na linda Igreja do Cristo Salvador. E muita atenção ao dress code: nada de decotes, bermudas e afins. Moças, se puderem, coloquem um lenço na cabeça, em sinal de respeito aos fieis daquela igreja.

Não é permitido tirar fotos, embora tenha visto muita gente desrespeitar as regras. Aí vale a consciência de cada um. O que é mais importante? O respeito ao outro ou a lembrança através de uma foto?

A Catedral do Cristo Salvador vista da ponte Patriarshy
Esta igreja tem uma curiosa história. Ela foi construída entre 1839 e 1860 para comemorar a vitória russa sobre Napoleão, mas foi destruída por Stalin que pretendia erguer ali o Palácio dos Soviéticos, com uma estátua de Lenin. Durante anos o local foi uma enorme piscina, até que em 1997 a Catedral do Cristo Salvador foi reproduzida a tempo de comemorar o aniversário de 857 anos da cidade de Moscou.

A Catedral do Cristo Salvador vista da ponte Patriarshy
Quando sair da Catedral localize um quiosque onde é possível experimentar salgados e doces russos.

Seguimos para a Ponte do Patriarca. Ela estava bem cheia e é linda de uma forma retrô. Dela podemos ver a Catedral do Cristo Salvador, o Kremlin e ainda a estátua de Pedro, o Grande. 

Ponte Patriarca

Kremlin visto da Ponte Patriarca

Estátua de Pedro, o Grande, ao fundo visto da Ponte Patriarca
Pedro, o grande
Fomos em direção à estátua de Pedro, o Grande, concebida para comemorar os 300 anos da marinha russa (1998), iniciada pelo Czar. Ela é enorme com seus 94 m de altura. É imponente como quase tudo que refere-se aos czares. Pode até não ser exatamente bonita, mas impressiona. 

Antiga fábrica de chocolates, atual complexo de restaurantes

Rio Moscou com o complexo de restaurantes e a estátua de Pedro, o grande ao fundo
Nos arredores está um complexo de restaurantes e clubes noturnos. Quando passamos por lá já havia algum movimento, mas ainda fraco, possivelmente pelo horário, cerca de 19 horas. O local era uma antiga fábrica de chocolates e havia um contraste muito interessante entre luxo e decadência. 

Trem transiberiano
Nesta noite tomamos o trem transiberiano e passamos alguns dias visitando outras cidades e depois voltamos para gastar mais dois dias em Moscou. Para nossa imensa felicidade encontramos a Praça Vermelha aberta e descobrimos outros locais bacanas da cidade.