sábado, 22 de agosto de 2015

Demos ADEUS a São PETERSBURGO e OLÁ a OMSK - SIBÉRIA, AQUI ESTAMOS NÓS!


Deixamos São Petersburgo em direção a Omsk, na Sibéria. Estava realmente ansiosa por esta parte da viagem. Se Moscou e Petersburgo já pareciam estranhas e meio assustadoras antes de chegarmos, imagine uma cidadezinha chamada Omsk, na gelada e apavorante Sibéria! 

Léo no aeroporto de São Petersburgo
Imagem da gentileza e descomplicação dos russos
O aeroporto de São Petersburgo é pequenino e não estava lotado apesar da quantidade de voos saindo. Fizemos check-in rapidamente e fomos comer alguma coisa. Para entrar no saguão do aeroporto tivemos que passar pelo raio X. Para os que gostam de embalar bagagem, há as máquinas de plástico similares as que existem nos aeroportos brasileiros. 

O voo atrasou 1 hora e fomos em busca de informações sobre isso. As mocinhas na ilha de informações não falavam inglês muito bem e então uma delas ligou para um número qualquer e passou o telefone para Léo que conversou com alguém que confirmou o atraso do voo. Eles são muito descomplicados. 

Perguntamos então onde havia tomada para carregar o note e o celular. Precisamos mostrar a ela os cabos de energia para que ela entendesse. Fomos então encaminhados ao segundo andar, entendendo que ali haveria alguma tomada disponível. Não achamos.

Nos dirigimos a outra ilha de informações e mostrei novamente o cabo de força a uma funcionária e perguntei onde havia uma tomada. Ela tomou o cabo de minha mão e plugou em uma tomada dentro da ilha e voltou a conversar com a colega. Burocracia zero: eu amo estes russos! Ficamos ali navegando pela internet (wi-fi free) e matando o tempo até a saída de nosso voo.

Mostrador com todos os voos

O nosso embarque foi no portão D97

Vamos nessa, Omsk!

O embarque foi normal, sem sobressaltos, apenas ficamos atentos aos mostradores e seguimos o fluxo. Passamos pelo raio X novamente, tirando rapidamente casacos e cachecois, uma vez que os russos são bem acelerados.

O mostrador informa direitinho o voo. O nosso embarque aconteceu no portão D97 e tivemos que descer uma escadaria para alcança-lo: eram dois salões de embarque onde pegamos um busão para chegar no avião. Voamos de Aeroflot.

O avião que nos levou de Peter até Omsk
Esta foto valeu uma bronca
Na fila para entrar no avião, tiramos fotos (acreditamos piamente que turistas tem o direito de pagar mico e nós usamos este nosso direito frequentemente) e de repente, um funcionário do aeroporto se materializou em nossa frente, falando duro em russo, fazendo gestos que entendemos prontamente: não podem tirar fotos. Ok! Paramos na mesma hora: eu, vermelha feito um pimentão, morta de vergonha! E fica a pergunta: onde havia uma placa avisando que era proibido?!

O voo foi muito tranquilo, com a tripulação muito simpática: primeiro nos serviram água e suco. Depois, recolheram tudo e só então serviram o jantar: pão duro, carne picada carregada de gordura, uma coisa molinha que parecia um arroz e batatas sem gosto. Tudo bem, eu passo! Não estava com fome mesmo!

Foram quatro horas de voo e um novo fuso: Moscou e São Petersburgo estão sete horas à frente de Brasília e Omsk está dez horas à frente. A cidade nos recebeu com temperatura de 2 graus, com sensação térmica de 4 graus negativos, com chuva e vento. E viva o verão siberiano!