quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Nossa HOSPEDAGEM em TOMSK - ASTI Rooms Hotel

Recepção em Tomsk
Quando desembarcamos em Tomsk, vindos de Omsk, a temperatura estava em 3°C. Era segunda-feira, pouco antes das 6 AM e o último dia de verão. Estava um lindo dia de sol, com céu azul. Um representante do hotel foi buscar-nos na estação.

Contrariando mais uma vez as minhas expectativas de que o russo é calado, fechado e sisudo, o motorista não parou um instante de tagarelar. Falava um inglês com forte acento russo, o que não dificultou em nada a comunicação, tornado-a, ao contrário, bem curiosa e interessante.

Ele nos contou que Tomsk é uma cidade universitária e foi apontando as diversas universidade e seus cursos durante o percurso. Disse que professor por lá ganha pouco porque tem muitos. Falou que a cidade tem muita mulher bonita e que quando quer conhecer alguma, basta ir à rua, que é fácil conhecer pessoas. Um paquerador!

Eu estava em um estado de semi-consciência por causa da noite mal dormida no trem e às vezes me deixava distrair pelas imagens e movimentação daquela nova cidade que já estava me conquistando com suas paisagens que em nada lembrava Omsk, apesar de ambas estarem na Sibéria.

O motorista então nos perguntou de onde nós éramos e quando contamos, a expressão de incredulidade em seu rosto não teve preço: foi hilária! Ele quis saber o que estávamos fazendo ali. 

Asti Rooms Hotel

Entrada do Asti Rooms Hotel

Asti Rooms Hotel por dentro

Vizinhança do Asti Rooms Hotel
Ele nos deixou no Asti Rooms Hotel (fizemos a reserva pelo www.booking.com). Engraçadinho por fora e interessante por dentro, por parecer comprido e estreito, sem ser exatamente assim, ele destoava do resto da vizinhança que parecia rural e até meio abandonada à primeira vista.

Uma senhora simpática, que não falava uma única palavra em inglês, nos recepcionou. Para realizar nosso check-in, ela não passou aperto e apelou para a tecnologia: simples, prático e óbvio! Por que eu nunca havia pensado nisso?! Ela usou o google translator: ela escrevia em cirílico, no computador, com o teclado cirílico. O google traduzia, ela mudava o teclado, mudava o idioma e era nossa vez de digitar e assim o diálogo fluiu e recebemos todas as informações que precisávamos. 

Café da manhã

Quarto

Quarto

Quarto

Banheiro com chuveiro europeu

Banheiro

Banheiro
Pagamos 500 rublos pelo early check-in. Era uma questão de necessidade um banho e um café da manhã, depois da noite toda viajando no trem. O café da manhã foi simples, com cara de café da manhã de avião, entregue no quarto, mas estava gostoso (ou era eu que estava faminta?!). 

O quarto é básico, mas amplo e funcional com guarda-roupa, criado-mudo, mesa de trabalho, cama de casal (colchão um pouco mole para o meu gosto), duas janelas e banheiro normal com chuveiro estilo europeu, pia sem bancada e encanamento aparente.

No corredor, café e chá à vontade. Ficamos no segundo piso. 

Vizinhança com cara rural

Casas de madeira vista da janela do quarto

Lindas casas na vizinhança do hotel

Vizinhança do hotel

Indo conhecer Tomsk
No entorno do hotel, muita casa de madeira, dando um aspecto rural à vizinhança. Algumas delas pareciam abandonadas, apesar de morar gente e outras eram lindas, mas estavam precisando urgentemente de uma reforma. 

Em um primeiro momento eu cheguei a olhar com desconfiança o local, que me lembrou alguns bairros violentos no Brasil. Fiquei com receio, mas voltamos todos os dias à noite caminhando e não tivemos nenhuma sensação de insegurança. 

Depois de um bom banho, revigorante, saímos para nos apresentarmos a Tomsk.