sábado, 29 de agosto de 2015

TOMSK, a cidade mais ANTIGA da Sibéria se MOSTRA para nós.


Depois de um banho revigorante e um café da manhã, fomos conhecer a cidade. Diferente de Omsk, Tomsk se mostra e se exibe sem medo ou pudores de ser comparada à exuberância de Petersburgo ou à grandiosidade de Moscou. Tomsk sabe que tem sua própria identidade e sua própria beleza, ainda que ela seja muito mais simples. 

Eu me apaixonei por Tomsk ainda no carro, no trajeto da estação de trem até o hotel, meio sonolenta, tendo como trilha sonora a tagarelice do motorista com seu inglês duro, carregado no "R" e suas histórias. 

Em Tomsk o urbano e o rural se misturam e convivem com tanta harmonia que tornam a cidade muito atrativa. Além disso, por ser uma cidade universitária sentimos no ar a energia vibrante tão típica dos jovens iniciando e descobrindo a vida. 

Descobrindo Tomsk

Memorial em Homenagem aos mortos na Segunda Guerra

Rio Tom

Parque Lagerny Sad

Rio Tom

Parque Lagerny Sad

As cores do verão russo
Seguimos em direção ao Monumento da Segunda Guerra Mundial em homenagem aos soldados mortos nesta guerra. Ele fica no final da Prospekt Lenina,dentro do lindo parque chamado Lagerny Sad, com o rio Tom correndo mais abaixo. 

Em frente ao rio, bancos e apesar do forte e gelado vento, pessoas estavam sentadas neles observando a vida e a natureza, sozinhos, em grupos, casais. Sentei-me em um também, enquanto Léo circulava pelos caminhos asfaltados e pelo monumento, tirando fotos. Deixei que vento frio batesse em meu rosto, congelasse a minhas mãos, bagunçasse meus cabelos, me alimentando, me renovando.

De lá, continuamos caminhando pela Lenina, nos misturando ao vai e vem de estudantes deixando as universidades, lotando as ruas. Senti falta de minha época de universitária. Fomos observando e absorvendo a arquitetura da cidade que mistura lindas casas de madeira com prédios mais novos. Naquele momento não tínhamos rumo definido. Até bater a fome.

Lugar de nome impronunciável para almoçar

Bonitinho por dentro

Cardápio todo em cirílico

O almoço

Papel de parede do banheiro
Encontramos um lugar de nome impronunciável, que ficava meio recuado, em uma espécie de largo. Não havia menu em inglês, mas o moço que estava no caixa, que parecia o dono, nos explicou como funcionava o restaurante e quais as opções: uma massa com um molho e/ou o que estava à vista no balcão, por peso. Escolhi uma pasta a bolognese, que estava ok e depois tomei um café, que estava fraco.

O lugar era fofo, o atendimento foi bem simpático e o mais legal foi o papel de parede do banheiro, forrado de livros. 

As tradicionais casas de madeira de Tomsk

Elas podem ser lindamente coloridas

Prédios mais modernos de Tomsk que contrastam com as antigas casas de madeira

As lindas casas de madeira de Tomsk

Casas de madeira com janelas que conferem identidade a elas

Russian - German House

Algumas das antigas casas de madeira estão muito bem conservadas

O antigo e o moderno, o urbano e o rural convivem
Após o almoço, fomos em busca das tradicionais casas de madeira de Tomsk, que foram, em sua maioria mantidas conservadas e fazem parte da identidade da cidade, como a Russian-German House (ul. Krasnoarmeyskaya 71), a Dragon House (ul. Krasnoarmeyskaya 68) ou Peacock House (ul. Krasnoarmeyskaya 67A).

Durante nossa caminhada fomos encontrando diversas casas de madeira, contrastando com prédios mais novos, como bravos sobreviventes. Elas são lindíssimas, mesmo as que estão carregadas de rugas, marcadas pelo tempo, precisando de cuidados. Tem gente morando em quase todas e apesar de possuírem janelas baixinhas, encontrei as cortinas sempre fechadas me impedindo de bisbilhotar o interior delas.

Eu sou apaixonada por janelas porque elas escondem vidas e histórias. Na privacidade que existe por trás das janelas, pessoas vivem suas vidas de verdade e por isso elas despertam tanto a minha curiosidade.

A maioria das janelas das casas de madeira de Tomsk possuem lindas bancadas que as compõem e eu me distraí observando suas diferenças, vislumbrando um pedacinho de nada da alma de seus habitantes: algumas pareciam uma floresta, repleta de plantas, outras estavam cheias de livros, uns apoiados nos outros na vertical, ou empilhados na horizontal. Descobri bancadas tristes, completamente nuas e outras com enfeites diversos.

Estádio do Tom Tomsk
Por fim, visitamos o pequeno estádio do Tom Tomsk o time da cidade. Demoramos um pouco até encontrar a entrada e quando finalmente o encontramos o recepcionista apontou para o campo e com um gesto mandou que nós entrássemos. Simples assim. Nem parece que os russos viveram tempos tão fechados onde todos desconfiavam de todos.

Apreciando Tomsk

Restaurante do Panda

Restaurante do Panda

Vista da rua do restaurante

sopa de verduras
Pizza individual

Pizza de verdura

Nome do restaurante
Encerramos a noite no Restaurante do Panda, bonitinho, com cardápio em inglês, onde só precisamos apontar para nossas escolhas. Tomei uma sopa de verduras e depois comi uma pizza, também de verduras. Ambas estavam muito boas. A longa caminhada e o frio me deixaram faminta.

Voltamos à pé para o hotel.