sexta-feira, 21 de agosto de 2015

Uma DECLARAÇÃO de AMOR e um desejo SINCERO a todos os VIAJANTES de alma:


Muitos fatores contribuem para que uma viagem seja um sucesso e que os momentos vividos fiquem gravados em nossa mente naquele compartimento especial de memórias afetivas. Talvez o fator de sucesso mais importante de todos seja com quem viajamos.

Eu já ouvi todo tipo de relato a respeito de brigas e confusões em viagens: melhores amigos que voltam inimigos mortais, casais que se separam na volta para casa e famílias que brigam tanto que mal lembram dos lugares por onde passaram.

Em compensação, aquela viagem que tinha tudo para dar errado, tamanha quantidade de problemas, vira uma das melhores viagens de nossas vidas porque estávamos com as pessoas certas para dividir os perrengues.


Há quem prefira viajar sozinho. Embora eu seja uma alma solitária e meus momentos de apreciação sejam apenas meus, eu não gosto de viajar sozinha porque para mim, faz parte do prazer o compartilhamento, descobrir o olhar do outro sobre o que vimos e vivemos.

Eu já viajei com amigos durante o Reveillon e o carnaval: praia durante o dia e festas à noite. Já viajei com família em viagem de carro, de avião, pelo Brasil e para fora dele onde o ritmo das coisas não foi determinado por mim. Já viajei com amigos onde eu queria passar o dia todo no museu e eles passeando no parque, eu querendo acordar cedo e aproveitar o dia e eles desejando acordar tarde e varar a noite.


Nos últimos anos, o Universo me enviou Léo e desde então temos sido companheiros de viagem e eu me arriscaria a dizer que ele é meu número: o parceiro ideal.

Gostamos de passar o dia todo em museus, do silêncio da contemplação, e da solidão de percorrer sozinhos as suas salas, cada um buscando aquilo que mais mexe com o seu coração e da alegria de beijinhos rápidos e olhares felizes trocados quando nos esbarramos pelos labirintos de cada museu.

Preferimos conhecer uma cidade a pé, assistimos a ballet e à ópera e vamos a estádios de futebol. Gostamos de explorar um país e suas cidades menores e de ler sobre eles antes de chegarmos. Adoramos ao final do dia, de dividir, com o corpo cansado e o espírito revigorado, uma garrafa de vinho, impressões e histórias. 


Planejamos a viagem juntos: decidimos datas, hotéis, país e cidades. A cereja do bolo para mim é que ele ainda sabe ler mapas! Isso é sensacional já que eu nasci desprovida de GPS. 

Eu sou poesia e ar. Ele é praticidade e terra. Nossas impressões sobre todas as coisas são invariavelmente distintas e quase opostas. Nossos amigos sempre perguntam ao ouvirem os nossos relatos de viagem: vocês estavam no mesmo lugar? É desta forma, compartilhando as diferenças (com algum atrito, claro!) que estamos sempre refrescando os nossos olhares. 

Não existe uma maneira correta ou única de viajar: existe a minha, a sua, a que te faz feliz. Desejo, portanto, a você, viajante de alma, que você encontre o (s) seu (s) parceiro perfeito de viagem.