quarta-feira, 11 de novembro de 2015

O COLORIDO que conta HISTÓRIAS na muito fofa GUATAPÉ, Colômbia


Depois de nos deliciarmos com a vista sensacional da pedra del Peñol seguimos rumo à colorida Guatapé, onde histórias são contadas nas fachadas das casas: arte popular ao ar livre, ao alcance de todos os olhos interessados. 

O colorido de Guatapé

Cores por todos os lados

Guatapé: fofa e agradável

Cores e flores

Fachadas que contam uma história

Zócalo
Zócalo é um elemento de identidade que conta uma história individual, de uma família, de um passado ou de alguma coisa que tenha valor e representatividade para a comunidade. É uma manifestação ancestral pintada com pincel ou talhada por artesãos e artistas nas fachadas das casas, formando uma espécie de rodapé grande e cheio de cores. 

Os zócalos são parte de Guatapé, que fica cerca de 79 km distante de Medellín e foi fundada em 1811, conferindo um colorido todo especial à cidade. Cada zócalo conta uma história que tem relação com algum ingrediente cultural local. Vi de tudo e achei cada um mais lindo que o outro. Eles são feitos em alto relevo e estavam por toda parte.

Talvez pelo colorido das casas, pelas flores penduradas sobre nossas cabeças, talvez pelas ruas de pedra e pelas calçadas estreitas ou talvez por tudo isso junto, mas eu tive a sensação de estar em uma lugar encantado, com a magia típica dos lugares mágicos em que o sol sempre brilha irradiando a mais pura alegria. Ouvi risos por onde passava, pessoas jogando conversa fora como se nada mais na vida tivesse importância (tem?) e música, muita música, ritmos misturados saindo de casas e bares.

A represa

Igreja Nossa Senhora de Carmem
Guatapé tem este nome em homenagem a um antigo cacique indígena. O que fizemos nesta cidade encantadora foi caminhar, entrando e saindo de ruas, "lendo" os zócalos, vendo o povo descer de tirolesa na represa e olhar o ir e vir das pessoas. 

Iglesia Nuetra Señora del Carmen

A igreja por dentro

A igreja em detalhes
Visitamos apenas o Museo Histórico Comunitario de Guatapé (calle 29 - Calle del Recuerdo) e a Iglesia Nuestra Señora del Carmen. O museu tem um acervo muito pequeno e divertido com antigos objetos, muitos deles doados por famílias guatapenses. 

Estávamos passando pela porta, eu nem imaginava que ali funcionava um museu, quando uma moça nos convidou a entrar. O que mais me agradou nesta visita, no entanto, não foi o acervo e sim a casa: pequena, mas com muitos espaços. Uma escadaria levava ao segundo andar e havia janelas que davam para a rua, me causando agradável sensação.

A igreja é uma graça com sua fachada branca e detalhes de um vermelho fechado, cor de telha, inclusive no relógio que a enfeita. Ela chama a atenção na praça, nossos olhos rapidamente se voltando para ela. Por dentro ela mantem a simplicidade, mas possui um ar nobre por conta da madeira que está em abundância na decoração.

As divertidas moto-chivas ou moto-táxis

Moto-chivas coloridas
Em Guatapé encontramos as divertidas moto-chivas (moto-táxis) por todos os lados. Muito coloridas e enfeitadas pintadas com temas locais, muitas carregavam propagandas políticas ao fundo. Colômbia estava prestes a realizar eleições municipais. 

Sancho Paisa Restaurante

O menu

Arepas de chócolo com queijo

Sancho Paisa

Sancho Paisa
Deixamos Guatapé para trás e voltamos para Medellín. Jantamos no Sancho Paisa, um restaurante com dois andares, decoração rústica e cardápio típico e variado. Eu comi uma arepa de chócolo, definitivamente minha preferida, por ser mais grossa e mais macia, com o queijo da região que  é absurdamente delicioso. 

Eu estava exausta mas feliz da vida por este dia tão maravilhoso e cheio de belezas nesta região tão rica da Colômbia.