sexta-feira, 4 de março de 2016

A Catedral de Santa MARIA del FIORI, o DUOMO de Florença:

Toda a beleza do Duomo de Florença

Catedral de Santa Maria del Fiori e o Campanário de Giotto
Quando descemos da cúpula do Duomo, Florença já tinha enfim acordado e a rua começava a ficar apinhada de gente, com filas para entrar no Batistério, no Campanário e para subir a cúpula. Seguimos direto para a entrada principal da Catedral, que também já estava com fila, mas que andou rápido. A entrada para a Catedral de Santa Maria del Fiori é gratuita. 

O Campanário de Giotto e o Duomo de Florença

O Duomo de Florença e o Batistério
O Duomo de Florença é o maior edifício da cidade e a quarta maior igreja da Europa. Começou a ser construída no século XIII, em 1296, obra que assinala a transição entre o gótico e o Renascimento. Foi construída sobre as fundações da antiga Catedral de Santa Reparata.

Ao longo de muitos séculos Santa Maria del Fiori, ou Santa Maria da Flor, sofreu diversas interferências e mudanças arquitetônicas como por exemplo a fachada neogótica acrescentada entre 1871 e 1887, lembrando o Campanário de Giotto, a obra de mármore em volta do altar-mor criada por Baccio Banoinelli em 1555 e claro a cúpula de Brunelleschi, que coroa a catedral, finalizada em 1463, considerada uma engenhosa solução de sustentação, e que nos permite uma linda vista da cidade, além de ser ornada com o extraordinário afresco de Giorgio Vasari (1572-1574).

Por falar no Campanário, ele compõe lindamente o trio formado, além dele, pela Catedral e pelo Batistério. Foi projetado por Giotto em 1334 e concluído 22 anos após a sua morte em 1359. Está revestido de mármore verde, rosa e branco e possui 85 metros: 6 metros mais baixo que a cúpula. Justamente por esta razão, Sônia (a brasileira que trabalha nos postos de informção turística da cidade) nos disse que não valia a pena subir o campanário. Seguimos seu conselho. Mais uma vez.

A Catedral e sua nave parecendo o caule de uma flor

A Grandiosidade da Catedral que é clara e não dá sensação de opressão

Conhecendo os detalhes do Duomo
Santa Maria del Fiori, tem 155 m de comprimento, 90 de largura e consegue abrigar cerca de 30.000 pessoas. Suas dimensões e mistura de estilos a torna uma igreja grandiosa. O que mais chamou a minha atenção foi que ela é clara, iluminada e não escura como muitas igrejas e catedrais que eu tenho visitado. O Duomo de Florença não me deu sensação de opressão e sim de estar entrando em um espaço amplo, grande.

Dentro da catedral, as pessoas iam caminhando a passos mais ou menos lentos, sem parar, como em uma procissão. Admiro quem consegue absorver as imagens assim, tão facilmente, mas eu preciso parar, preciso de um tempo. Então, deixei de seguir o fluxo já na entrada da igreja.

Quantos milhões de sapatos já pisaram neste mosaico?

A irregularidade do piso gasto que conferem alma a igreja

Muitos detalhes que a tornam diferente: pintura não religiosa, representando um militar, no alto à esquerda.

O relógio cujos ponteiros giram em sentido contrário

Para onde se olha, há o que se ver.

Dante explica a Divina Comédia

O afresco de Vasari a 144 m de altura

O imponente e belo teto
O Duomo não tem milhões de ornamentos religiosos, não é pesada e possui muitos elementos notáveis: o piso irregular e maltratado, pisado e repisado por milhões de pessoas e diversos sapatos ao longo de tantos e tantos anos dão alma à igreja. 

As representações de figuras não religiosas, de militares e uma pintura de Michelino (1465) que mostra Dante do lado de fora de Florença, explicando a Divina Comédia, com o Inferno, o Purgatório e o Céu ao fundo. Isso sem contar no curioso relógio construído por Benvenuto della Volpaia, em 1443, com (supostamente) os evangelistas representados nos 4 cantos. Os ponteiros do relógio giram no sentido anti-horário e funciona com a hora itálica, usada até meados de 1700, sendo alterado para o sistema atual por Napoleão Bonaparte, quando esteve por aqueles lados.

As colunas e o teto são maravilhosos, imponentes, eu diria, há lindos vitrais coloridos, além é claro o afresco de Vasari visto de outro ângulo, a 144 metros de altura.

As pessoas se aglomeram em frente ao altar principal

O altar principal

A catedral: leve e com elementos diversos
O Duomo de Florença tem uma característica incomum: o lugar onde fica o altar principal tem formato de uma flor estilizada e a nave dá a impressão de ser o caule desta flor. Faz sentido e torna Santa Maria del Fiori mais encantadora, se pensarmos no nome dela e no da cidade.

A maioria das pessoas se concentrou justamente ai, abaixo do domo, em frente ao altar principal e miravam o alto, mergulhando no Juízo Final de Vasari. Elas não demoravam muito então pude conseguir um lugarzinho e ficar ali pelo tempo que meu pescoço aguentou ficar envergado de maneira a manter meus olhos no alto, bem no alto. Os guias com seus grupos são os mais inconvenientes, como se achassem ter mais direito e prioridade de estarem ali. Neste caso, a única arma que me parece possível é a paciência.

Duomo de Florença
A Catedral de Santa Maria del Fiori, o Duomo de Florença, não entrou para a lista de catedrais mais bonitas que já visitei, mas ela possui tantas particularidades e detalhes que a diferenciam das demais catedrais que já vi, que sem dúvida a converte em um lugar muito interessante.

Próximo à saída, ao fundo da nave principal, uma escadaria nos leva até as ruínas da antiga Catedral:  a Santa Reparata. E foi para lá que nos dirigimos.