segunda-feira, 4 de abril de 2016

A Piazza del CAMPO, Siena:


Foi amor à primeira vista o que eu senti quando pousei os olhos em Siena.  As horas passadas na cidade confirmaram este amor.  Depois de bebermos um café forte, começamos nossa exploração por esta joia da Toscana, pela Piazza del Campo.

A Pizza del Campo

A Pizza del Campo com o Palazzo Pubblico e Torre del Mangia em destaque

Prédios irregulares com paletas de cores em tons terrosos

A Fonte Gaia ao fundo
O que primeiro chama a atenção na Piazza del Campo é seu formato de concha, muito particular: um conjunto de triângulos em declive, como um anfiteatro, pavimentados com tijolos vermelhos do século XIV, convergindo, talvez, para o centro da praça, com a Fonte Gaia em uma ponta, tendo como estrela absoluta o Palazzo Pubblico.

Quando chegamos à Praça do Campo um sol pálido brilhava em um céu com poucas nuvens, quebrando um pouco do frio de Siena naquela manhã de segunda-feira. Havia pouca gente circulando por ali e pudemos tirar fotos e olhar os detalhes à vontade.

Esta praça já foi um fórum romano, mas na maior parte da Siena antiga funcionou um mercado. Começou a ganhar seu formato atual no final do século XIII. Os triângulos são nove representando o Conselho dos Nove que governava a cidade à época.

Criado para ser o centro cívico tornou-se o coração de Siena onde ocorriam execuções e touradas. Não sei se naquele tempo já era considerada tão bonita, mas posso afirmar que hoje é bela, muito bela. 

Hoje há pizzarias, restaurantes, bares e lojinhas nos arredores da piazza.  

No centro da Pizza del Campo com edifícios tortos, apoiados ao fundo

O Palazzo Pubblico e a Torre del Mangia

Pombas se divertem na Fonte Gaia

Fonte Gaia

A Torre del Mangia vista de dentro da prefeitura

O fundo da prefeitura vista da Piazza del Mercato

O belo Palazzo Pubblico de outro ângulo 
A praça é cercada por edifícios com arquitetura diversa: uns mais largos, outros mais estreitos, muitas janelas, todos baixos, mas desnivelados, com uma paleta de cores em tons terrosos que se alternam na intensidade, mas todos eles gastos, repletos, entupidos, abarrotados, saturados de energias de mil vidas que por ali passaram, viveram, morreram choraram, de ideias, boas e más, que foram discutidas, apreciadas, ignoradas e implementadas: testemunhas oculares daquele palco peculiar onde biografias humanas foram encenadas. Prédios amontoados que às vezes me davam a impressão de estarem uns apoiando os outros para aguentar tanta história, tanta existência.

De um lado da praça está o Palazzo Pubblico e a Torre del Mangia e do outro, exatamente do lado oposto, encontramos a Fonte Gaia. Paramos primeiro em frente à fonte. Datada do século XIX e feita em mármore, ela é uma réplica de outra construída 4 séculos antes. Possui bonitos relevos que representam as Virtudes, Adão e Eva, a Madona e o Menino, mas eu gastei mais tempo me divertindo e dando boas risadas com as pombas que tomavam banho nas águas do que observando os relevos.

O Palazzo Pubblico é a prefeitura de Siena e sua estrutura lembrou-me um castelo em miniatura com a Torre del Mangia velando por sua segurança. Um relógio adorna a torre, mas o curioso é que ele não fica no alto, como meu imaginário poderia sugerir, mas quase em sua base, formando um interessantíssimo cenário.

A Torre del Mangia, com seus 102 metros é conhecida como a torre do sino e se destaca na paisagem de Siena.  Tem mais de 660 anos e recebeu o nome do primeiro tocador de sino. 

É hora de voltar ao passado

Léo observa e absorve

Amo janelas: são como os olhos das casas e escondem vidas

A torre do relógio visto de dentro da prefeitura

Mundo medieval

A Piazza del Campo vista de dentro do Palazzo Pubblico

Gordinha fazendo adho mukha shvanasana (cachorro olhando para baixo - um àsana ou postura de yoga) lindamente
Por dentro, a prefeitura, onde circulamos pelo pátio térreo, tem um formato retangular, com arcos em todo o seu entorno, onde o vermelho predomina. Esta construção gótica concluída em 1342 raptou-me e deixou-me cair na Siena Medieval. Não foi preciso muito esforço, na verdade, para que minha imaginação começasse a viajar solta por aquelas janelas e arcadas.

Espalhadas pelo pequeno espaço aberto havia uma série de esculturas de gordinhos em poses diversas, super à vontade com seus corpos. Não se paga nada para visitarmos este pequeno espaço.

Policiais italianos: ela era belíssima, absurdamente bonita. 

Declinamos de entrar no Centro Cívico e subir a torre do relógio
 
Léo se despede do Palazzo Pubblico

Em direção à Piazza del Mercato
Como nosso tempo em Siena era curto, menos de 24 horas, tivemos que fazer opções, duras opções então nós não entramos nem no Centro Cívico, abrigado nas salas medievais da prefeitura, e nem subimos a torre do relógio, com pouco mais de 505 degraus que oferece uma vista da cidade. Preferimos tomar o rumo da Piazza del Mercato, onde pudemos ver o Palazzo Pubblico e a Torre del Mangia por outro âmgulo.

Não declinamos desses dois lugares sem uma imensa dor no coração, mas é sempre bom deixarmos alguma coisa para trás para um dia termos boas desculpas para voltar.