sábado, 14 de maio de 2016

A Galleria dell`ACCADEMIA, Florença:


Iniciamos mais um dia em Florença visitando a Galleria dell´Accademia. Para evitar perdermos tempo em filas compramos nossos ingressos, com hora marcada, pelo site, ainda no Brasil. site é muito fácil de ser usado e assim que efetuamos a compra, imprimimos os vouchers para serem apresentados na bilheteria, em Florença.

Decidimos por um dos primeiros horários porque gosto de chegar cedo. A principal razão é ter bastante tempo para olhar as obras de arte e aproveitar o museu um pouco mais vazio, porque à medida que o dia vai avançando, mais pessoas vão chegando e lotando as salas.

Mercado Central de Florença

Mercado Central de Florença

As cores do Mercado Central de Florença

Mercado Central de Florença começa a despertar

Estimulando os sentidos no Mercado Central de Florença

Barracas de rua, caótica, vendendo quinquilharias na entrada do Mercado Central de Florença
A academia foi criada no século XVI para ensinar técnicas de desenho, escultura e pintura, sendo a primeira da Europa com este formato específico.

Saímos cedo do hotel e nos dirigimos ao Mercado Central da cidade, porque até então nós só havíamos visitado o andar superior, onde fica a ótima e variada praça de alimentação.

O piso inferior abriga o mercado de frutas, verduras, pescados, carnes e especiarias. Chegamos quando ele estava acordando e os funcionários ainda arrumando seus quiosques, tomando café e jogando conversa fora enquanto carregavam caixas.

Eu gosto muito de mercados: as cores me arrebatam, os cheiros me confundem, pois mudam a todo instante dependendo dos corredores percorridos e minha percepção se exacerba.

Chegamos à Galleria dell´Accademia poucos minutos antes do horário marcado para nossa admissão, apresentamos os vouchers e entramos. Havia pouca gente, como eu esperava. 

Deposizione della Croce de Filippino Lippi

Madonna col Bambino i Santi Domenico, Cosma, Damiano, Francesco, Lorenzo e Giovanni Batista de Botticelli

Assim nasce uma escultura
Começamos nosso percurso pela primeira sala onde encontramos Deposizione dalla Croce de Filippino Lippi: eu infiltrei-me no movimento daquela imagem, onde cada um dos personagens mostrava um comportamento, executava ou não uma tarefa, em cena harmônica, com a dor e a tristeza compartilhada por todos.

Fomos seguindo, Léo e eu, cada um a seu tempo, como os olhos grudados em cada obra, pedaços de alma que se desprendem a cada novo quadro, nova escultura, voltando a se juntar mais rica e mais viva, numa dança de prazer interminável.

Botticelli retratou São Cosme e São Damião, santos celebrados de forma distinta, mas sempre com alegria, em cidades como Salvador e Rio de Janeiro, no Brasil, mais de uma vez. Na Galleria dell´Accademia eles estão representados no quadro Madonna col Bambino i Santi Domenico, Cosma, Damiano, Francesco, Lorenzo e Giovanni Batista: foi quase como encontrar velhos amigos já que nasci no dia deles e meus aniversários sempre estiveram ligados à São Cosme e São Damião.

Mudando de sala me deparei com estátuas incompletas de Michelangelo, que me deram uma perspectiva do que era o trabalho do artista em andamento, antes de sua conclusão. Em resumo, descobri como nasce uma escultura. Muito interessante, para dizer o mínimo.

Todo o esplendor do Davi criado por Michelangelo

O Davi de Michelangelo

Colossal

Todos os detalhes expostos

Galleria della´Accademia com o espantosos Davi de Michelangelo
Eu estava perdida nas esculturas incompletas quando olhei de relance para o fundo da sala: perdi o fôlego. O Davi de Michelangelo, estava ali, destacado, tomando conta de todo o ambiente. Eu não sabia exatamente onde ele estava exposto na galeria e quando o vi, mesmo estando longe ainda, eu tive a noção de que ele entraria para minha pequena lista de obras mais impressionantes que já tive oportunidade de colocar os olhos. 

Eu vi réplicas na Piazzale Michelangelo e na Piazza della Signoria. Eu vi inúmeras imagens nos blogs sobre Florença e em programas de tv, mas o Davi criado por Michelangelo é uma dessas obras que por mais que vejamos, olhemos, leiamos, nada, absolutamente nada nos prepara para o impacto que o original causa ao vivo.

Nada do que eu conte, narre, descreva conseguirá mostrar a grandiosidade deste Davi (1504), nu, gigante, colossal, com 5,2 metros de altura, tenso pela batalha que o espera, o retesamento na mão que segura firmemente a pedra, glúteo e abdômen contraídos, o semblante preocupado, o olhar perdido ao longe: todo o seu corpo demonstra sentimento de consciência do que está por vir. As narinas parecem inalar fortemente o ar. A musculatura da parte de trás da perna é visível. Tudo parece indicar a iminência do movimento.

O acervo da galeria é muito bom

Madonna con Bambino, San Giovannino de Francesco de´Rossi 

Dante visitando o Inferno acompanhado de Virgílio, reconhece Farinata e fala com ele de Baldassare Calamai
Esculturas de diversos artistas e épocas



Léo perdido entre tantas obras de arte

Niccolò Maquiavelli

O Monumento a Sofia Zamoyska de Lorenzo Bartolini
Continuamos percorrendo as outras salas e embora tenha encontrado outras belas obras como Madonna con Bambino, San Giovannino de Francesco de´Rossi e Dante visitando o Inferno acompanhado de Virgílio reconhece Farinata e fala com ele do artista Baldassare Calamai, nada foi tão extraordinário quando o heroi bíblico Davi que matou Golias.

Para quem prefere esculturas ao invés de pinturas, a Galleria é uma ótima opção de visita, pois possui um acervo bom de estátuas de artistas diversos retratando poses variadas como Niccolò Maquiavelli. Um parque de diversões: imaginei histórias e vidas para a maioria delas.   

A que mais chamou minha atenção foi O Monumento a Sofia Zamoyska por conta do impressionante movimento dos lençois e de sua camisola, que o artista Lorenzo Bartolini conseguiu imprimir. Ela de fato parecia repousar, dando a impressão de que a qualquer momento pudesse abrir os olhos e nos mirar. Medo!

Infelizmente havia uma parte da galeria que estava fechada e assim, antes do meio dia nós já havíamos visto e revisto tudo, pois o acervo, apesar de muito bacana, é relativamente pequeno. 

Sem filas na Galleria dell´Accademia quando saimos
Quando deixamos a galeria, não havia filas e isso já tinha me chamado a atenção, pois li em blogs, guias e revistas de viagem que Florença era uma cidade eternamente entupida de turistas, com filas para todo lado e não vi isso. Perguntando aqui e acolá nos disseram que estava começando a baixa estação, com a chegada do inverno. Boa época, então, fim do outono, para visitar essa cidade.

Resolvemos então aproveitar o resto do dia em Lucca.