quinta-feira, 12 de maio de 2016

O Palazzo VECCHIO, Florença:

Palazzo Vecchio 

Palazzo Vecchio
Depois de nos embrenharmos pelos Caminhos Secretos do Palazzo Vecchio, símbolo de poder Florentino, nós fomos percorrer os caminhos não secretos do velho palácio medieval. Velho, mas devo dizer, em excelente forma!

Começamos pelo Salone dei Cinquencento, um imenso e retangular salão, do século XVI, criado dentro do edifício original, para acomodar o Conselho dos Quinhentos, composto obviamente por 500 membros, que governou Florença nesta época. 

Salão dos Quinhentos

Salão dos Quinhentos

A glória de Cosimo I imortalizada por Vasari

Cosimo I representando como Deus no centro do Salão dos Quinhentos

Salão dos Quinhentos

Genio dell Vittoria

Salão dos Quinhentos
Eu tinha muita expectativa em relação ao Salão dos Quinhentos por todas as pesquisas que eu havia feito, que diziam ser ele magnífico, espetacular. Depois de descobrir os segredos desse palácio, passar pelo Studiolo di Francesco, confesso que o salão não me impressionou.

Não que ele não tenha elementos que o tornam maravilhoso, mas eu esperava encontrar ali imponência, esperava me sentir pequena e perdida no meio dele, imaginei um lugar espantoso, extraordinário, mas ao contrário, ele me pareceu um salão de conferência moderno, básico, comum, padrão.

Talvez eu esteja sendo injusta com os afrescos de Vasari, sublimes, soberbos, que imortalizam a glória e o poder de Florença e de Cosimo I, ao derrotar as rivais Pisa e Siena, dispostos nas paredes do salão. Talvez eu tampouco esteja sendo justa ao não considerar o sabor que a Genio della Vittoria, escultura que Michelangelo construiu para a tumba do papa Julio II, mas que não chegou a ser finalizada, dá ao lugar.

Talvez inclusive, eu não esteja dando o devido valor aos quadros que estão no teto, pintados também por Vasari, divinos, belíssimos, que enaltecem e celebram as realizações de Cosimo I e da família Medici, onde o Grão Duque está representado como Deus. É possível também que tenha ignorado as dimensões do Salão dos Quinhentos: 54 metros de comprimento, 23 metros de largura e 18 metros de altura.  

Ainda assim, com toda esta beleza incontestável, o Salão dos Quinhentos me decepcionou sobremaneira: faltou um toque a mais de esplendor. 

Quarto de Cosimo I

Lorenzo, o Magnífico, cercado por profetas e estudantes

Quarto de Lorenzo, o Magnífico

Quarto do Papa Leão X

Escada que dá acesso ao segundo piso

O Salão dos Quinhentos

Máscara mortuária de Dante Aliguieri

Capela

Sala de audiência dos Prioris

Detalhe da sala dos prioris

Mapas e o globo terrestre

Mapas mostram divisões antigas

Parede impregnadas de energia e móveis antigos
De lá fomos caminhar pelos outros ambientes do Palazzo Vecchio, que eu achei serem poucos e modestos: estava mais uma vez enganada! Neles eu encontrei o encantamento que buscava.

No quarto de Lorenzo, o Magnífico, um dos principais representantes Medici, mecenas e forte incentivador das artes contribuindo para o Renascimento italiano, encontramos pinturas de Vasari e afrescos de Giovanni Boscolli e Mariotto di Francisco. Em uma representação, ele aparece cercado de profetas e estudantes entre alegorias de fama e virtude.

No quarto de Cosimo I há diversas representações do Grão Duque em situações variadas como a que o mostra com sua comitiva voltando em triunfo para Florença ou cercado por artistas.

O quarto do Papa Leão X é um dos mais interessantes: tem pinturas e afrescos belíssimos! Ele era filho de Lorenzo, o Magnífico, foi o primeiro papa eleito na Capela Sistina e viu a Reforma Protestante, iniciada por Martinho Lutero com suas 95 teses. A partir daí a Europa deixava de ser totalmente católica.

A máscara mortuária de Dante Aliguieri está aqui. Podemos vê-lo exatamente como ele foi em vida e isso não deixa de ser excitante, e macabro, uma vez que o acho o maior poeta de todos os tempos.

Adjacente ao quarto de Eleonora de Toledo, esposa de Cosimo I, está o quarto dos Prioris e a sala dos mesmos: magnífica, com seus tons pastel e suas representações. A sala dos mapas nos leva ao passado geográfico da terra.

A mente fervilhando, a alma em festa e o corpo cansado
Enfim, depois de um par de horas correndo salões, imaginando vidas, conhecendo histórias, deixamos o Palazzo Vecchio e mergulhamos na noite Florentina, com a mente fervilhando, a alma em festa e o corpo cansado. 

São dois passeios possíveis pelo interior do Palazzo Vecchio: um, livre, onde compramos as entradas na bilheteria do palácio e circular pelo tempo que quiser pelos ambientes e o outro pelos caminhos secretos do palácio (link no início desse texto) onde é necessário reservar, na mesma bilheteria, com antecedência onde o tour é guiado e dura cerca de 1,5h. Há opções em inglês e espanhol.