segunda-feira, 2 de maio de 2016

RUÍNAS Etruscas e ROMANAS em Fiesole:

Iniciando novo dia em Florença, com a Chiesa di Santa Maria Novella ao fundo: passamos por aqui diversas vezes a caminhos de muitos e diferentes lugares na cidade

Nossos pés foram o nosso meio de transporte mais eficiente em Florença
Tabacaria onde compramos as passagens de ônibus

Ônibus 7 com destino a Fiesole

Máquina amarela onde temos que validar os bilhetes

Setamos do lado direito do ônibus para apreciar melhor a vista

A cara de Fiesole

Duomo de San Romolo

Casas fofas e diferentes que encontramos em Fiesole

Voltando um pouco na estrada para apreciar a vista Toscana

Florença logo abaixo

oh, bela Toscana!

Iniciando a exploração de Fiesole
Situada 8 km ao norte de Florença, no alto de uma colina, está Fiesole onde passamos quase um dia inteiro. Acordamos cedo e compramos tickets comuns de ônibus (só de ida) na tabacaria que fica na esquina do hotel que nos hospedamos: o Best Western Hotel Palazzo Ognissanti.

Caminhamos por ruas silenciosas até a Piazza San Marco onde tomamos o ônibus número 7. É preciso validar o bilhete ao entrarmos no ônibus. Sentamo-nos do lado direito para apreciarmos melhor a bela vista da Toscana, com suas cores misturadas em tons variados de verde, ocre, vermelho e sei lá quantos mais.

A viagem foi curtíssima e saltamos na Piazza Mino, mas antes de começarmos a explorar esta pequena cidade fundada pelos Etruscos no século VII a. C., nós voltamos um pouco na estrada para vermos Florença sob outro ângulo: a vista é espetacular!

É muito difícil descrever uma paisagem através de palavras, especialmente quando ela é tão magnífica. Não me atrevo portanto a me enveredar por essa seara, deixando que as fotos aqui expostas mostrem, de maneira pálida, é verdade, um pouco da beleza Toscana. 

Fiesole

Sítio Arqueológico de Fiesole - ruínas Etruscas e Romanas abaixo e o Museu Faesulanum ao lado direito da foto
Passamos pelo Duomo de San Romolo, do século XI, que estava fechada e começamos a conhecer Fiesole pelas ruinas romanas. A temperatura girava em torno dos 4 graus, o que tornava a visita muito agradável uma vez que gosto do frio.

Fomos comprar os bilhetes, os quais havia duas categorias: A e B, sendo que o primeiro dava direito a visitar apenas a área externa onde estavam as ruínas e o B, além da área externa, dava acesso ao Museu Faesulanum cujo acervo contém peças em bronze e cerâmica. Eu escolhi a categoria A e Léo a B.

Fui até a bilheteria comprar os nossos ingressos: pedi um A e um B. Foi uma situação muito cômica porque a menina me perguntava se queria A ou B, eu dizia que eu queria um de cada e ainda informava que o A era para mim e o B para Léo que estava ao meu lado. Ela então me explicava cada categoria e insistia que eu escolhesse uma delas.

Eu desisti e comprei um bilhete A. Depois disso Léo comprou o bilhete dele. Problema resolvido! Pegamos um áudio guia gratuito. Vale muito à pena, mesmo para quem não fale nenhum dos idiomas disponíveis, pois mostra imagens de como eram as estruturas em todo o seu esplendor. 

O Anfiteatro Romano

Belíssimas cores da Toscana

O Anfiteatro está muito bem conservado

No entorno das ruínas conseguimos ver edifícios de moradores atuais

As ruínas

O silêncio ajuda a absorver o lugar

Os arcos dividiam a piscina fria dos locais de exercícios

Exuberante e colorida Fiesole

Templo dedicado à Minerva
As ruínas romanas que compõem o sítio arqueológico de Fiesole data do século I a. C. e está em bom estado de conservação. É possível, sem a necessidade de muita imaginação, perceber como eram as estruturas quando ainda vivas.

Há um pequeno teatro romano onde aconteciam não só espetáculos como também encontros políticos. Havia uma hierarquia para a ocupação das arquibancadas onde os mais importantes ficavam mais próximos do palco. As mulheres podiam assistir do alto. O local onde a orquestra ficava ainda está bem visível.

Aqui também é possível encontrar as termas tão famosas e imprescindíveis entre os romanos, além de latrinas e os fornos que regulavam a temperatura da água. Arcos dividiam a piscina fria do lugar onde os homens se exercitavam. As piscinas eram divididas por sexo e eram usadas também para a socialização.

Os Etruscos construíram um templo dedicado à Minerva. Quando os Romanos chegaram e tomaram o poder, o mantiveram, mas imprimiram ampliações, construindo salas maiores e paredes mais altas. Minerva continuou reinando. Ainda há resquícios da antiga muralha, onde havia um corredor estreito por onde os visitantes da cidade eram obrigados a passar colocando possíveis invasores em desvantagem e expostos.

Eu achei uma visita muito bacana, especialmente para quem aprecia ruinas. Só abre das 10:00 às 14:00 e não abre todos os dias. É bom passar no posto de informação turística de Florença para buscar a tabela de horários.

Depois desse mergulho pelo mundo antigo dos romanos, emergimos de volta ao presente sentindo fome. Fomos em busca de um lugar para almoçar e encontramos um lugar muito simpático. Falo dele outro dia.