terça-feira, 5 de julho de 2016

Frankfurt - NUREMBERG de TREM, Alemanha:


Nossa porta de entrada na Alemanha foi Frankfurt, mas a cidade não seria nosso destino final. Na estação de trem Fernbahnhof, localizada ali mesmo onde pousamos, no aeroporto Frankfurt am Main, tomamos o trem para Nuremberg, objetivo principal dessa viagem. 

Site da Banh - opção em inglês: atenção para escolher a estação de trem correta

Tickets online

O interior do trem: em destaque poltronas que dividem uma mesa

Compramos os bilhetes de trem no Brasil pelo site da Bahn, a companhia ferroviária alemã (Deutsche Bahn – DB). O site tem a opção em inglês e o passo a passo foi simples.

Decidimos por assentos lado a lado (opção open saloon), mas havia a opção open saloon with table que são as poltronas que compartilham uma mesa: dois de um lado e dois de outros, com um par viajando de costas.

Pagamos 4,50 euros cada um para podermos marcar os assentos, pois não sabíamos a lotação do trem e, com bagagem, não queria ficar mudando de poltrona a cada trecho.

Para quem prefere não marcar assento, deve atentar para o luminoso em cima de cada poltrona que mostra até que trecho aquele assento está marcado.

Nosso passaporte não é aceito como documento de identificação pelo site da Bahn; no momento em que o sistema o pede nós ignoramos e selecionamos o cartão de crédito que efetuará a compra.

Com o processo finalizado, os tickets online serão enviados por e-mail e basta imprimir.

Ninguém cobra os bilhetes na entrada do trem, mas durante a viagem, o fiscal os solicita e devemos apresentá-los junto com o cartão de crédito que efetivamos a compra.

Escolhemos o horário da partida para três horas depois da hora prevista para o pouso de nosso voo, por questões de segurança: possíveis atrasos (o que de fato ocorreu), tempo de imigração e restituição de bagagem. Além disso, não sabíamos a distância entre o terminal onde pousaríamos e a estação de trem.  

Outro item de fundamental importância no momento da compra de passagens de trem é saber exatamente o nome da estação de onde queremos partir e em qual queremos chegar porque muitas cidades têm mais de uma estação de trem. 

Léo olhando o mapa com informações sobre os trens

Informações sobre os trens: tamanhos diferentes 
O trem
Pessoas começando a se posicionar nas portas de seus vagões pois as descidas e subidas costumam ser rápidas. Ao fundo o painel informando que o trem parado na plataforma naquele momento era o nosso e ao lado dele a placa indicando que estávamos na praça B. 
Na estação encontramos exposto um painel com informações referentes ao trem, como o posicionamento do carro em que viajaríamos (numero do vagão contido no bilhete) para que na hora que ele chegasse já estivéssemos posicionados, uma vez que a parada costuma ser rápida.

Aqui é preciso ficar atento a um detalhe: trens diferentes fazem a mesma rota no mesmo horário em dias da semana distintos.

Por exemplo: nosso vagão era o de número 23. No mapa estava indicado que ele se posicionaria na praça B porque na segunda-feira o trem era maior. O que fazia a mesma rota em outros dias da semana era menor e, portanto os posicionamentos dos vagões na plataforma eram outros.

A rota do trem era Frankfurt – Munique, com algumas paradas incluindo a nossa em Nuremberg. Na hora de buscar informações é necessário lembrarmos isso para não olharmos o trem errado.

Na mesma plataforma passam diversos trens. A informação sobre o que está parado naquele momento está disponível em painéis posicionados no alto. 

Quiosque com delícias alemãs

Eu e meu brezel de queijo
Como tínhamos tempo, aproveitamos para comer em um quiosque ali mesmo na praça B chamado Cuccis. Eu comi um pretzel (brezel em alemão) com muito queijo derretido.  Era um pouco seco, mas eu gostei.

O trem atrasou (poucos minutos), o que me causou alguma surpresa porque acreditava que a Alemanha era um país de cumprimento rigoroso de horários. 

Interior do trem
Eu adoro viajar de trem. Acho muito prático: entro, sento e vou relaxando enquanto aprecio a paisagem que por sinal é belíssima nesse trecho. Em alguns momentos cheguei a pensar que estava em um livro infantil de contos de fada, desses em que o bem e o mal são lindamente demarcados.

Facilidades que encontramos: tomadas para carregarmos os celulares e bagageiro acima das poltronas. Aqui, uma ressalva para quem gosta de viajar com malas enormes: o espaço é limitado e o tempo entre subidas e descidas é rápido, o que requer agilidade.

Há banheiros disponíveis nas extremidades dos vagões. Um funcionário da companhia passa vendendo café e lanches rápidos. Eu prefiro sempre comprar na estação e levar à bordo pois os valores costumam ser melhores. 

Estação de trem de Nuremberg
Nuremberg Bahnhof
Estação de trem de Nuremberg: descemos as escadas rolantes para ter acesso ao centro da cidade sem precisar atravessar as ruas
A entrada principal da Estação de trem de Nuremberg




Do lado esquerdo da foto, bem ao lado da torre está a saída secundária da estação de trem; Em frente, o posto de informação turística. 
Posto de Informação Turística
A viagem durou menos de duas horas e meia e foi muito tranquila. A estação de Nuremberg estava bastante movimentada: um burburinho de gente indo e de gente vindo, arrastando malas e carregando mochilas.

Em vez de sairmos pela entrada principal, descemos as escadas rolantes e deixamos a estação por uma saída secundária, pois assim não precisamos atravessar ruas, mas ambas as saídas são na cara do Altstadt, centro histórico da cidade.

Como sempre fazemos quando chegamos em qualquer lugar, antes de tudo, fomos ao posto de informação turística que ficava do outro lado da rua. Pegamos mapas e informações básicas sobre o que fazer em Nuremberg.

Atravessamos a rua novamente porque do outro lado, muitíssimo bem localizado, estava o Ibis Hotel, nossa hospedagem pelos próximos dias.