terça-feira, 9 de agosto de 2016

O PALÁCIO da JUSTIÇA, Nuremberg, Alemanha


Depois de visitarmos a Albrecht Dürer Haus e conhecer um pouco do que era ser rico durante a Renascença, seguimos em direção ao Palácio da Justiça de Nuremberg e sua icônica sala 600.

Todos os guias e blogs que eu li, sugeriam pegar a linha do metro U1 (linha verde), e descer na estação de Bärenschanze para chegar ao tribunal, mas como somos andarilhos urbanos, decidimos caminhar pela cidade até nosso destino. Às vezes o caminho pode ser mais interessante que o ponto final. 

Kettensteg e a trilha arborizada
Atravessamos mais uma vez a Kettensteg e seguimos por uma trilha arborizada, com uma leve brisa em meio ao forte calor que fazia naquela tarde. Pegamos novamente as muralhas por fora, onde o trânsito era intenso e seguimos quase em linha reta.

A paisagem por aí era um pouco distinta se compararmos com o centro medieval, sem, no entanto apresentar profundas diferenças, talvez, apenas um pouco menos de antiguidade em sua atmosfera. 

Fachmavie – Die Glücksboutique

Com meu café, atravessando o forte calo, em direção ao Palácio da Justiça seguindo as placas
Resolvemos tomar um café, em uma loja muito fofa, chamada Fachmavie – Die Glücksboutique, algo como Fachmavie – Boutique da Felicidade (Fürther Straße, 50), que tinha lindas mesinhas na calçada. O interior da loja continha todo tipo de objeto para casa e umas coisas bem interessantes.

Quando entramos a moça estava comendo uma melancia e sorriu assim que nos viu. A propósito, como sorriem esses bávaros. Pedimos dois expressos para levar e ela perguntou a Léo se ele não queria uma sacola para colocar o guia e os 365 mil papeis que ele vai pegando em todo lugar.

Você parece cansado carregando tanto coisa, ela disse. Quanta simpatia! Enquanto ela tirava nosso café (1 euro cada), ficamos fuçando sua encantadora loja.

Palácio da Justiça: entrada para a icônica sala 600
Chegamos ao palácio suados, mas valeu muito a caminhada que durou cerca de 45 minutos, mas ao chegarmos lá, a sala 600 estava fechada.

O que acontece é que apesar de sua importância histórica, ela não é um museu e ao contrário, funciona como um tribunal normal, com audiências, então nem sempre está aberta ao público. Há um projeto para torná-la museu. 

Na recepção fomos informados de que na sexta-feira, dois dias depois, estaria aberta. A única forma de sabermos se haverá audiência ou não, é telefonando (49 911 321-79372) e mesmo assim, tudo pode mudar e ela ser fechada sem aviso prévio para um evento qualquer.  

Não perdemos a viagem e ficamos trocando ideia com o senhor e um moço que trabalham ali, sobre, claro os sistemas judiciários de cada país. Léo respondeu algumas perguntas sobre as leis criminais brasileiras e diante da expressão de assombro e exclamações de surpresa, eu comentei que nós também não entendemos muitas dessas leis, por não fazerem sentido algum para o bom funcionamento de nossa sociedade atual.

Palácio da Justiça que foi parcialmente destruída durante os bombardeios da Segunda Guerra
Andamos um pouco pela parte de fora do Palácio da Justiça, para ver sua fachada. Este foi um dos poucos edifícios que sobreviveram de pé aos bombardeios aliados à Nuremberg, durante a Segunda Guerra Mundial, mas sofreu danos.

O telhado foi atingido, destruindo os andares superiores que pegaram fogo, derrubando a torre do relógio. Nos anos finais da guerra, a violenta SS (Schutzstafell) ocupava o edifício.

Os americanos restauraram o prédio, com muito esforço e a um custo significativo, para que os julgamentos da alta cúpula nazista pudessem acontecer ali, na sala 600, nos meses subsequentes ao fim da guerra. Durante todo o processo de reconstrução houve o receio de ataques por parte da SS e de simpatizantes do nazismo, que era forte na cidade devido aos inúmeros espetáculos promovidos pelo Partido Nacional Socialista na cidade.

Quarteirão dos artesãos

O 3 im Weckla no Quarteirão dos Artesãos
Voltamos pelo mesmo caminho para o altstadt, mais precisamente para o quarteirão dos artesãos.

Fizemos um lanche ali: 3 im Weckla, as salsichas de Nuremberg no pão cacetinho: 2,50 euros para levar e 3,70 para comermos sentados. Ficamos com a segunda opção para descansar as pernocas, pois na sequência passaríamos algumas horas imersos no mundo mágico do Museu Germânico Nacional.