terça-feira, 1 de novembro de 2016

A KÖNIGSPLATZ: Propyläen, Glyptothek e Staatliche Antikensammlungen - o 3° REICH, o que VER em MUNIQUE, Alemanha:


Só tínhamos mais algumas horas em Munique, então saímos cedo do Ibis Hotel para conhecer uma parte da cidade que narra mais alguns trechos da história nazista e que fala da Munique anterior às duas guerras mundiais.

A temperatura continuava deliciosamente fria, mas não havia chuva. Nós caminhamos rapidamente em direção à Königsplatz, sem nem ao menos tomarmos café da manhã. 

O que ver em Munique, Alemanha, Nazismo Terceiro Reich Königplatz
Café da Manhã em Munique

Propyläen na Königplatz Terceiro Reich nazismo o que ver em Munique Alemanha
Propyläen na Königplatz
Ainda bem que chegando próximo ao nosso destino, encontramos uma janelinha, com um moço de nacionalidade não identificada, que não falava uma única sílaba em inglês, onde compramos um péssimo café preto e um pretzel muito bom. A fome tinha apertado e essa janela foi nossa salvação.

A Königsplatz – Praça do Rei é uma área ampla de óbvia inspiração grega, construída a mando do rei Ludwig I, localizada no bairro Kunstareal ou Bairro da Arte, pois está repleto de museus.

A praça é nua e crua, mas guarda tesouros que estão abrigados em grandes edifícios que a marcam e definem, erguidos no século XIX: o Propyläen, o Glyptothek e o Staatliche Antikensammlungen e são eles mesmos notáveis. 

Propyläen na Königplatz O que ver em Munique Alemanha
Propyläen na Königplatz

Propyläen na Königplatz O que ver em Munique Alemanha
Propyläen na Königplatz

Propyläen na Königplatz O que ver em Munique Alemanha Nazismo
Propyläen na Königplatz

Propyläen com a Glyptothek na Königsplatz O que ver em Munique nazismo Alemanha
Propyläen com a Glyptothek na Königsplatz

Propyläen com o Staatliche Antikensammlungen na Königplatz O que ver na Alemanha museus Nazismo
Propyläen com o Staatliche Antikensammlungen na Königplatz
Nós adentramos a praça pelo Propyläen, que num primeiro momento, parece deslocado, perdido no meio do nada, até estarmos de fato na Königsplatz e olharmos o todo: então, o conjunto faz sentido.

O Propyläen é uma homenagem à ascensão de Oto da Grécia, filho de Ludwig I, ao trono da Baviera, trazendo relevos e esculturas celebrando o príncipe bávaro e a Revolução Grega, comandada por ele, que libertou a Grécia do Império Otomano (1821 – 29), além de simbolizar a amizade entre Grécia e Bavária.

O monumento levou 30 anos para ser construído, quando o rei Ludwig já tinha abdicado e foi inspirado no Propileu da Acrópole de Atenas.

Quando damos às costas ao Propyläen, temos em nosso lado esquerdo o Glyptothek - Museu da Coleção de Escultura Antiga, que abriga estátuas gregas e romanas da antiga coleção privada de Ludwig I.

O Glyptothek foi o primeiro edifício público a abrigar artes voltadas para um único tema e foi construído à maneira de um fórum, atendendo ao sonho do rei de criar uma Atenas Alemã.

Por fim, observamos a Galeria Nacional de Antiguidades ou Staatliche Antikensammlungen no lado oposto ao Glyptothek que hospeda uma das maiores coleções da antiguidade na Alemanha, com exemplares etruscos, gregos e romanos. Esse edifício também se assemelha a um templo

A Königplatz O que ver em Munique Alemanha, nazismo
¨Königsplatz

Glyptothek na Königplatz O que ver em Munique Terceiro Reich nazismo Alemanha
Glyptothek na Königplatz

A Königplatz O que ver em Munique Alemanha nazismo
A Königplatz
Na era nazista, a Königsplatz foi transformada no Fórum do Movimento, o que significa que era o principal local de culto nazi. O objetivo final era sempre impressionar a população para demostrar força e poder.

Dois Templos de Honra foram erguidos a mando de Hitler, com o cuidado de combinar com os edifícios que já existiam, e foram usados para glorificar o fracassado Golpe da Cervejaria.

Para tanto, sarcófagos contendo corpos dos 16 nazistas que morreram no confronto com a polícia na Odeonsplatz, considerados mártires do movimento, foram colocados nos templos. Ambos foram destruídos pelo exército americano, em 1947, mas as plataformas continuam por ali.

Na Glyptothek, Hitler discursou. Na Königsplatz, dois meses após o NSDAP – Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães, subir ao poder, estudantes nazistas queimaram livros considerados não germânicos: a maioria deles escritos por autores judeus.

Os nazistas organizaram muitos comícios e marchas na Königsplatz, incluindo a comemoração anual do aniversário do Putsch da Cervejaria. Hitler costumava assistir aos desfiles no Führerbau, outro prédio de 3° Reich. Conto a história dele no próximo texto.