quinta-feira, 2 de março de 2017

Praça da LIBERDADE e o ARDINA, além de A Vida PORTUGUESA, Porto, Portugal:

Praça da LIBERDADE e o ARDINA, além de A Vida PORTUGUESA, Porto, Portugal:

Colada à majestosa e centenária Avenida dos Aliados, por onde caminhamos lentamente, apreciando toda a sua beleza, está a Praça da Liberdade. Ela é considerada por muitos como o coração vibrante do Porto.

Por ser um espaço muito antigo na cidade, registre-se aí século XV, já teve diversos nomes, sendo o atual dado em 1910, em referência ao sistema republicano de governo. Ficava fora da Muralha Fernandina.

Foi nesse século, o XX, que ela passou a integrar o deslumbrante conjunto urbano composto ainda pela Avenida dos Aliados, Praça do General Humberto Delgado e o Paço do Concelho. 

O que fazer no Porto, Portugal
A Praça da Liberdade

O que fazer no Porto, Portugal
A Praça da Liberdade: ao fundo a Avenida dos Aliados e o Paço do Concelho. Do lado direito, a estátua de Dom Pedro IV. 

O que fazer no Porto, Portugal
A Praça da Liberdade: beleza clássica

O que fazer no Porto, Portugal
Escultura de D. Pedro IV
Pulquérrimos prédios emolduram a praça de ambos os lados, como o edifício da Antiga Companhia de Seguros “Nacional”. Há muitos cafés também nas margens da Praça da Liberdade.

Em seu centro, está uma estátua equestre de Dom Pedro IV, o nosso D. Pedro I, fundida com o metal derretido das peças de artilharia do Cerco do Porto. Quando passamos por ela, um grupo de japoneses ouvia atentamente a história contada pela guia.

Estar no Japão e conhecer um pouco mais da história deles foi, para mim, ao mesmo tempo tão estanho, intenso, cheio de descobertas e emocionante, que fico pensando se eles sentem o mesmo quando estão do lado ocidental do planeta conhecendo heróis e personagens que não são seus velhos conhecidos. 

O que fazer no Porto, Portugal
A Praça da Liberdade com o Palácio das Cardosas do lado esquerdo e a Rua dos Clérigos ao fundo

O que fazer no Porto, Portugal
O Ardina
No fim da Praça da Liberdade encontramos o Palácio das Cardosas, prédio grandioso erigido no século XIX, antigo Convento de Loios, cujos frades aproveitaram a demolição da Muralha Fernandina para alargar sua fachada. Hoje abriga um hotel.

À esquerda da praça, para quem está de frente para o Palácio das Cardosas, está a figura do Ardina, o homem que vende jornais, e que me pareceu muito apropriado estar ali, a anunciar aos gritos as novidades, nesse espaço de tanta efervescência de ideias e ideais da cidade. Para mim, esse personagem é um clássico.

O que fazer no Porto, Portugal
Rua dos Clérigos com a Igreja e Torre ao fundo

O que fazer no Porto, Portugal
Rua dos Clérigos: Igreja e Torre ao fundo

O que fazer no Porto, Portugal
Vida Portuguesa
Seguimos então pela Rua dos Clérigos, enladeirada, repleta de lojas dos dois lados, muitas delas de cunho religioso, de onde temos bela vista da Torre e Igreja dos Clérigos.

Entramos em seguida na Rua das Carmelitas onde fomos conhecer a Fábrica e Armazém Carmelitas, Fernandes, Mattos & Companhia, fundada em fins do século XIX, onde hoje funciona a loja A Vida Portuguesa.

O que primeiro chama a atenção é a belíssima casa onde ela funciona: espaços amplos que permitem a entrada suave da luz natural, estantes e largas mesas de madeira, assim como o chão, que pesam deliciosamente o ambiente. 

O que fazer no Porto, Portugal
A Vida Portuguesa

O que fazer no Porto, Portugal
A Vida Portuguesa
Lustres, portas vermelhas, colunatas em ferro e uma escadaria escandalosa terminam de compor o ambiente. Ao longo de dois andares todo tipo de produto legitimamente português, não exatamente barato, e com forte pegada retrô, está espalhado nos dois andares.

A variedade é fantástica: um deleite para os olhos e mãos passear pela vida portuguesa das antigas, através de placas iradas, latas e canecas, ganchos, brinquedos, relógios, itens de papelaria, chaveiros e porta-copos, além de artigos de perfumaria. O som ambiente que inundava todos os poros daquele magnífico lugar era claro, o fado.

Ficamos um bom tempo ali xeretando todos os objetos, querendo tudo e ao mesmo tempo não desejando ter nada. No final, compramos apenas um marcador de páginas magnético, com o simbólico galo português. Seguimos em frente em nossa exploração pelo Porto. Assunto para o próximo texto.