domingo, 2 de abril de 2017

Do PORTO à GUIMARÃES - bate/volta de TREM, Guimarães, Portugal:

Guimarães - o que fazer em Portugal

O sábado amanheceu nublado, cinza e chovia muito no Porto. Resolvemos tomar um trem urbano para passar o dia na cidade de Guimarães e descobrir onde Portugal começou e assim conhecer um pouco mais sobre a história do país.

Guimarães fica distante do Porto cerca de 50 quilômetros o que pode ser traduzido em uma viagem de trem de mais ou menos 1 hora e 15 minutos.

Guimarães - o que fazer em Portugal
No metrô vazio - do IPO à Estação de São Bento

Guimarães - o que fazer em Portugal
Praça Almeida Garrett - um dos lugares mais bonitos do Porto

Guimarães - o que fazer em Portugal
Estação de São Bento
Acordamos cedo e pegamos o metrô na estação IPO, em frente ao Ibis São João, onde estávamos hospedados, em direção a bela Estação de São Bento. Àquela hora, antes de 8 AM, o metrô estava vazio e fazia frio.

Ao chegar à estação, eu me espantei novamente com sua beleza! Dirigimo-nos ao local de venda dos bilhetes, pegamos uma senha e aguardamos. Como nós havíamos recebido de presente as passagens de trem na Feira da Maratona do Porto, nós só precisamos trocar o voucher pelos passes.

Entretanto, outras pessoas estavam comprando os bilhetes na hora mesmo, para diversos destinos próximos, incluindo Guimarães. A passagem, ida e volta, custava menos que 7 euros. Sugiro comprar logo os dois trechos, pois a bilheteria da estação de Guimarães estava fechada quando voltamos no fim do dia.

Guimarães - o que fazer em Portugal
Cafeteria da Estação de São Bento - balcão das delícias

Guimarães - o que fazer em Portugal
Cafeteria da Estação de São Bento: pastel de forno com expresso

Guimarães - o que fazer em Portugal
Cafeteria da Estação de São Bento

Guimarães - o que fazer em Portugal
Cafeteria da Estação de São Bento
Aproveitamos que tínhamos algum tempo, pois o trem só partiria às 08:20, para tomarmos café da manhã na charmosa cafeteria da estação. Confesso que me senti muito old school com isso!

Um moço novinho estava atendendo no balcão e foi muito paciente diante de meu pedido de explicação de cada um dos itens disponíveis e ainda esperou calma e risonhamente perante minha dificuldade de escolha em um universo grande de delícias gastronômicas.

Finalmente me decidi por um salgado com recheio de frango (1,60 euros) e um expresso (0,70). Já alardeei aos quatro cantos o quanto os portugueses tiram bem o café. Além disso, como eles conseguem que uma coisa tão simples quanto um salgado tenha um sabor tão marcante?!

A cafeteria é lindamente decorada, com mesas e poltronas em formatos, cores e padrões distintos: essa assimetria imprimiu elegância, descontração e certo ar retrô ao ambiente. Bobagem dizer que me apaixonei! Léo teve que me arrastar de lá, para não perdermos o comboio. 

Guimarães - o que fazer em Portugal
Estação de São Bento: poucos instantes antes da partida do trem para Guimarães

Guimarães - o que fazer em Portugal
Estação de São Bento - trem errado: esse é o de trás, mais perto da entrada da estação. O trem correto é que está mais ao fundo da foto.

Guimarães - o que fazer em Portugal
Estação de São Bento: trem errado, Esse é o de trás - podemos ver a entrada da estação ao fundo. O trem certo está na frente desse. 

Guimarães - o que fazer em Portugal
Do Porto a Guimarães de trem: tempo cinza
Uma coisa importante a se observar: nosso trem era o da frente. A plataforma comporta dois trens de uma vez e, portanto, nesse caso, o “da frente” significava que o comboio que iria a Guimarães era o que saía em primeiro lugar, o que estava mais afastado da entrada da estação.

O trem era bem simples, seguiu como poucos passageiros, parou em muitas estações no percurso e estava gelado. Uma corrente de vento vinha não sei de onde, penetrando em meus ossos e me fazendo contar os segundos para chegarmos logo.

Fora isso, a viagem foi tranquila, embora pouco silenciosa, pois dois senhores escoceses foram conversando a viagem inteira, em alto e bom som, e seu acento característico impregnou todas as reentrâncias do vagão, como se o mundo inteiro se resumisse a eles.