segunda-feira, 18 de junho de 2012

O que encontramos no CAFÉ DA MANHÃ, em MADRI, Espanha:

Starbucks Coffee Madrid
Starbucks Coffee
Starbucks Coffee Madrid
Starbucks Coffee Madrid
Starbucks Coffee Madrid
Starbucks Coffee

O que comer em Madri
Starbucks Coffee Madrid

Tomar café da manhã na rua é um dos meus programas preferidos. Peregrinar pelas cafeterias de Madrid foi um passeio dos mais agradáveis. Visitamos a cidade no fim do verão, quando os dias nasciam tarde e frios. O sol demorava para aparecer e então começávamos o dia com uma boa bebida quente para aquecer o corpo e a alma.

Pela região da Gran Vía há muitas e variadas cafeterias como a conhecida rede americana Starbucks. Eu adoro o chocolate quente que eles fazem e ainda tem a vantagem de ter acesso free à internet.

O que comer em Madri, Espanha
Museu del Jamón
Mueso del Jamón
Mueso del Jamon
Museo del Jamon
Museo del Jamon
Uma opção mais a cara da Espanha é o Museo del Jamón. O Museo é um lugar muito pitoresco com peças de presuntos penduradas no teto. Eu escolhi um sanduíche com ovo e chá de camomila. 

Não gostei muito não: o pão veio em estilo torrada e estava muito dura, e o ovo não tinha muito sabor. Apesar disso, valeu muito a experiência de ficar sentada ali, observando as pessoas  a caminho do trabalho, apressadas, enquanto eu tentava me entender com meu pão com ovo.

Rodillas
Rodillas
Pans & Company
Pans & Company
Experimentamos ainda o Rodillas, que tem ótimas promoções e uma variedade grande de deliciosos sanduíches e um café muito gostoso. Apesar de seu estilo lanchonete, em nada lembrando uma cafeteria, foi um dos meus lugares preferidos para tomar café da manhã na capital espanhola. 

Eu não fui muito com a cara do Pan and Company logo que o vi. Mas naquele dia, naquela hora era o único local que estava aberto. Decidi comer pão com pasta de atum e tomar um chá bem quente. Não me arrependi. Foi uma boa escolha!


A cada dia tomávamos o desayuno em um local diferente. Uma ótima forma de começar o dia: apreciar as pessoas que entravam e saiam à caminho de suas atividades diárias, enquanto bebíamos uma bebida quente e comíamos um bom sanduíche para aguentar as caminhadas do dia.

Todas as cafeterias mencionadas ficam na Gran Via e proximidades, mas algumas têm endereço em cada esquina de Madrid. Descubra uma cafeteria para chamar de sua. Ou várias!

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Frankfurters e Chivitos em Montevideo



Frankfurter coberto de queijo

Frankfurter com queijo

Chivito Canadiense
La Pasiva da Ciudad Vieja em frente a Praça Matriz

Vai para Montevideo? Não deixe de comer no La Pasiva. É uma rede que tem em toda esquina e o forte deles são os deliciosos sanduiches. 

Eu comi um frankfurter que fazia tempo estava com vontade de experimentar. É uma espécie de cachorro-quente, com uma salsicha diferente. Você pode escolher só o pão e a salsicha ou pode acrescentar ingredientes. Eu coloquei queijo no meu e estava delicioso. Custou cerca de R$3,50. 

Outra opção das mais famosas e típicas é o chivito: carne de quadril no pão com mil coisas dentro. Escolhemos este que chama Chivito Canadiense que tem, entre outras coisas, presunto, queijo, ovo e tomate. Custou cerca de R$19,00. 

Depois de um dia inteiro de caminhada nada mais delicioso que se acabar nos sanduiches uruguaios. Nós escolhemos o da Ciudad Vieja, em frente a Praça Matriz.

segunda-feira, 4 de junho de 2012

The ALBERT DOCK e seus museus em Liverpool, Inglaterra

The Albert Dock


The Albert Dock

The Albert Dock

The Albert Dock

The Albert Dock

The Albert Dock

The Albert Dock

The Albert Dock

The Albert Dock

Merseyside Maritime Museum - no The Albert Dock

Tate Museum  no The Albert Dock

Restaurante do Merseyside


Fish and Chips


Risotto de beterraba.

O tempo estava chuvoso. Temperatura em torno dos 5 graus com o céu muito cinza. Foi assim que amanheceu o dia em Liverpool e aquilo me deixou realmente encantada porque cheguei na Inglaterra buscando um dia típico. Atravessamos a rua (Formule 1 Hotel) e já estávamos no The Albert Dock, para começar nossa exploração por Liverpool.

O Albert Dock é um conjunto de armazéns em torno do Mersey River, onde funcionam lojas, restaurantes, bares e museus. As docas foram abertas em 1846 e foi considerado uma revolução na época por causa do material utilizado e porque os navios descarregavam direto nos armazéns. Foi restaurado em 1981.

Mesmo com este tempo chuvoso e frio, havia bastante gente circulando. Fomos primeiro visitar o Tate: museu de arte moderna. Como a maioria dos museus na Inglaterra, a entrada é gratuita. Muita arte moderna em todos os andares. O curioso é a quantidade de criança circulando, observando e de adolescentes sentados no chão tentando desenhar o que viam ou então debatendo sobre a arte exposta. 

Visitamos também o International Slavery Museum. É um museu muito bacana que conta a história dos negros que foram escravizados ao redor do mundo. Claro que tem um capítulo sobre o Brasil. Liverpool foi uma importante rota para os mercadores de escravos. Eles esperam, ao contar esta história, combater o racismo.

Tem ainda o Merseyside Maritime Museum. Aqui entramos no mundo dos navios, incluindo o acidente do Titanic e partes de como ele era por dentro, as cabines e roupas, assim como uma réplica de seu irmão o Olympic.

Resolvemos almoçar por ali mesmo, no Merseyside: escolhi um risotto de beterraba e agrião. Estava gostoso e custou 7.50 pounds. Outra opção é o típico prato inglês: fish and chips (peixe com batata frita). O restaurante é simples, estava cheio e o atendimento foi ótimo. O garçom foi paciente ao nos explicar tudo o que perguntamos sobre os pratos e nos deixou à vontade para escolhermos.

Passear pelo The Albert Dock é uma delícia e uma fonte gostosa de conhecimento. É um lugar lindo e agradável com os típicos tijolinhos aparentes: muito inglês. Em todas as lojinhas que entramos as pessoas foram gentis, bem como nos museus, onde pedimos diversas informações e conversamos um pouco.