segunda-feira, 16 de julho de 2012

Salar do ATACAMA no Chile:

Salar do Atacama

Um flamingo do Salar do Atacama
A natureza é mesmo impressionante no Deserto do Atacama. No mesmo dia em que visitamos as Lagunas Altiplânicas, visitamos o Salar do Atacama. 

O Salar é uma depressão de 3 mil quilometros quadrados coberta por uma camada de sais, provenientes das cordilheiras: dos Andes e de Domeyko. A água que não consegue escoar, evapora deixando depósitos de sais. Em alguns pontos a espessura pode chegar a 1450m. 

O Salar contem algumas lagoas onde vivem vários flamingos. Só podemos ver de longe para não atrapalhar a vida deles e reprodução, para que eles não migrem.

Podemos resumir o Salar em uma palavra: incrível. Aquele imenso descampado de sal, onde a luz do sol reflete forte, o azul do céu do Atacama sem uma nuvem é um cenário que nos deixa sem ar. Ok, a altitude também contribui para isso, mas o lugar é sensacional. 

As Lagoas do Salar

Lagoa Chaxa do Salar do Atacama
Escolha bem o sapato que vai usar nesta visita: eu fui de tênis e fiquei surpresa quando olhei a sola. O sal comeu a borracha, fez um estrago razoável. Mas nada que me impedisse de continuar usando o tal tênis estragado o resto da viagem que durou mais uns 15 dias.

Os vulcões que cercam o Salar costumam entrar em erupção. Disse-nos a guia, uma morena simpática, com  feições de índia e longos cabelos negros, que os chilenos se divertem quando isso acontece porque a fumaça vai toda para a Argentina. Sim, eles também têm birra com nossos amigos porteños.

O passeio é feito por empresas locais, com guia e transporte. Tem várias delas na avenida Caracoles, a principal rua da Vila de San Pedro do Atacama. Escolha a que mais te agrade. Elas costumam seguir as mesmas regras.

terça-feira, 10 de julho de 2012

O BAR 6 e Palermo: Buenos Aires

Palermo
Pessoas circulando por Palermo
Bar 6
Bar 6
Eu gosto de me perder pelas ruas de Palermo. Gosto de andar por lá sem rumo, sem objetivo, olhando as pessoas caminhando pelas ruas, enttrando e saindo de lojas, sem pressa, sem me procupar com o tempo, parando aqui e acolá para comer ou beber uma coisinha ou tomar um sorvete. Prefiro ir aos sábados, quando tem bastante gente circulando. Não chega no entanto a ser uma multidão. Não fica intransitável.

Em minha última visita à cidade, perguntei a alguns amigos porteños qual a diferença entre Palermo Soho, Hollywood e outros. Eles foram unânimes em dizer que esta nomenclatura é usada pelos brasileiros, que para eles tudo era Palermo.

Palermo

Chocolate quente no Bar 6

Palermo

Nesta mesma última visita, no fim da tarde, depois de muito caminhar, entramos no Bar 6. Estava cheio de gente sentada no balcão e nas poltronas vermelhas com suas mesinhas baixas. Tomei um submarino (leite quente com uma barra de chocolate dentro) enquanto meus amigos tomavam copas de cerveja. Ficamos algumas horas assim, relaxados, enquanto discutíamos as diferenças entre a economia e política entre nossos países. Quando saímos já era noite e então seguimos para casa para jantar calamares com mais amigos.

terça-feira, 3 de julho de 2012

O que é que a Bahia tem? Salvador de muitos encantos.

Vista da Praça Castro Alves desde o Espaço Unibanco


Praça Castro Alves com a linda vista da Baía de Todos os Santos


Vista da Baía de Todos os Santos desde o Espaço Unibanco


Igreja da Barroquinha






























 
Espaço Unibanco de Cinema - Glauber Rocha

Salvador tem muita história. Esta história, às vezes, se mistura com o cotidiano da cidade. O Espaço de Cinema Unibanco - Glauber Rocha, além de ótimas salas de cinema (o espaço leva no nome do cineasta baiano), tem também uma livraria, um ótimo café e uma vista linda para a Praça Castro Alves e  para a Baía de Todos os Santos. Vemos ainda, de cima, a Igreja da Barroquinha e logo ali, pertinho, fica a Caixa Cultural.

A rosácea que decora a parede do prédio, onde antigamente funcionava o cine Guarani, é uma imitação da que ilustrou o poster de Deus e o Diabo na Terra do Sol, de Glauber, em 1964. Dentro é possível perceber que muita coisa foi aproveitada quando o local foi reformado para funcionar o Espaço Unibanco.

A estátua do poeta dos escravos que enfeita a praça, foi fundida em São Paulo e chegou à Bahia em 1922, sendo colocada em seu lugar no dia 20 de Junho de 1923. Os restos mortais do poeta estão aí, guardados no monumento, desde 1971, quando aconteceu o seu centenário. É na Praça Castro Alves que acontece o tradicional encontro de trios da capital baiana no carnaval. 

Ao lado está a Igreja da Barroquinha, tombada pelo IPHAN - Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Em 1722 Manuel Ribeiro Leitão doou as terras para a contrução da Capela da Confraria de Nossa Senhora da Barroquinha. Se estiver na cidade no verão, confira se estão acontecendo os shows de Mariene de Castro. Durante a estação ela costuma fazer seu show (Santo de Casa) neste espaço, e é um programa sensacional que tem a cara da Bahia.

Bem próximo do Cine Glauber Rocha, está a Caixa Cultural. O Museu funciona na antiga Casa de Oração dos Jesuitas, construida na segunda metade do século XVIII e sempre tem muitas exposições interessantes e gratuitas no espaço. E o prédio é belíssimo.