quinta-feira, 11 de julho de 2013

O lado brasileiro das CATARATAS DO IGUAÇU, Foz do Iguaçu, Paraná, Brasil


 



Nada do que eu escreva conseguirá descrever a exuberância e a beleza das Cataratas do Iguaçu. Então nem vou me atrever. Sintam um pouco pelas fotos e se organizem para visitar algum dia.

Visitei em uma sexta de Maio. Temperatura agradável, em torno dos 20 graus, sem chuva. Infelizmente foi uma visita rápida porque o meu voo atrasou. Tivemos então poucas horas para apreciar tudo isso.

Compramos os bilhetes na entrada do parque e tomamos o ônibus até o fim de linha. Sugiro que, se for nos meses mais frios, vá na parte de baixo do ônibus. Se resolver ir na parte de cima, para ver melhor a natureza, agasalhe-se muito, porque com toda aquela vegetação e com o busão em movimento, o frio é intenso.

Almoçamos em uma lanchonete que tem no ponto final dos ônibus do parque. Tem uma vista linda para as quedas d´água (daqui conseguimos ver a Garganta do Diabo, talvez a catarata mais impressionante de todas com 150 metros de largura e 700 metros de comprimento) e muitos quatis querendo roupar seu lanche. Não vacile que eles são rápidos. 




Depois do almoço/lanche,caminhamos de volta pelo mesmo caminho do ônibus, por uns 10 minutos, para pegarmos o acesso às pontes que margeiam as cataratas (Pergunte ao motorista do ônibus onde você deve descer para iniciar a visita, se não quiser ir até a lanchonete). É mesmo um espetáculo belíssimo da natureza. Não tem como não ser lugar comum diante da força daquele conjunto de 275 cachoeiras.

Fico imaginando o que não deve ter sentido Cabeza de Vaca, o primeiro europeu (espanhol de Sevilla) a ver as Cataratas do Iguaçu, lá pelo século XVI!

Fomos caminhando junto com todos os outros turistas e tirando fotos e ficando maravilhados. É possível fazer este passeio em cerca de duas horas se você não for do tipo meditativo. 




Em determinado momento, já quase no final do passeio, há uma passarela que avança pelas cachoeiras, passa ao lado delas e você caminha sobre as águas (a ponte tem o piso furadinho) e sente toda a força do lugar. 

Molha. Logo na entrada, onde compramos os bilhetes, há pessoas vendendo capa de chuva. Não comprei e não me arrependo. Não acredito que a capa fosse ajudar muito porque molha as pernas e os pés. Mas se você tem uma capa de chuva em casa, não custa nada levar.

Pensando nisso, fique atento ao sapato. Melhor um tênis. Porque se o volume das águas estiver muito alto tudo fica úmido e escorregadio. Havia uma garota de salto agulha e ela estava sofrendo muito para caminhar.



No final, chegamos novamente no local onde fica a lanchonete e os quatis. Ali pegamos o ônibus de volta à entrada e ao estacionamento onde deixamos o carro. 

Aí há uma lojinha de souveniers: caro como toda loja deste tipo, mas com bastante variedade de objetos.



Se você precisar de mais detalhes: Parque Nacional do Igauçu

quinta-feira, 4 de julho de 2013

BISTRÔ OUVIDOR, no centro do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil

Eu adoro o centro do Rio. Acho charmoso. Sei que tem muito da decadência típica da maioria das capitais brasileiras: sujeira, mendicância, insegurança, gente demais e sempre apressada, prédios abandonados, onde antes era glamour e riqueza. Mesmo assim, acho que o Rio conseguiu manter um certo charme em meio a este caos moderno com suas ruazinhas estreitas e uma nesga do Rio antigo.

Primeiro andar do Bistrô Ouvidor

Gosto de andar por ali e de comer por ali. Desta vez almocei no Bistrô Ouvidor, um lugar lindo, misturando o novo e o velho. Luzes indiretas para um clima aconchegante e o mais importante: comida deliciosa. É um pouco barulhento (estava lotado) e isso incomoda porque o local é pequeno, embora tenha dois andares. 

Pato com molho de jaboticaba e pure de batata baroa

Um bom vinho para acompanhar
Eu comi um pato com molho de jaboticaba e pure de batata baroa sensacional (R$42,00). Um bom vinho para acompanhar. Este é um dos pequenos prazeres da vida.

http://www.bistroouvidor.com.br/wordpress/
Rua do Ouvidor, 52 - Centro - Rio de Janeiro
Tels: (21)2509-5883 / (21)9385-7417
SEGUNDA à SEXTA de 11h às 18h - SÁBADOS de 11h às 15h

segunda-feira, 24 de junho de 2013

Algumas PARTICULARIDADES sobre BOGOTÁ - Colômbia

Bogotá vista do Monserrate


Centro Histórico de Bogotá vista de Monserrate
Toda cidade tem suas curiosidades e suas particularidades fazendo com que cada lugar seja único e original. Claro que uns mais e outros menos. Bogotá é uma cidade de alguns detalhes interessantes:
  1. A zona histórica, onde está sempre cheia de turistas, é muito policiada. Eu nunca havia visto nada parecido em nenhum lugar do mundo. A cada 100m mais ou menos há um grupo de uns 4 ou 5 jovens policiais. Claro que nos dá uma sensação de segurança. Eles são sempre muito educados e dispostos a ajudar. Quando necessitamos tomar um ônibus, por exemplo, eles pararam o ônibus que nos levaria ao nosso destino, nos recomendando ao motorista;
  2. Na Carrera 7, a principal avenida do centro, há pessoas vendendo ligações de celular. Achei muito divertido porque há uma clientela grande para isso, pelo que pude perceber;
  3. Também ao longo da Carrera 7 é possível encontrar galerias de artesanato locais. E nesta mesma rua à noite, fica cheia de artistas de rua de todo tipo;
  4. É a cidade das esmeraldas. Tem muito lugar, muita loja vendendo joias feitas com esmeralda, de tamanhos, preços e formatos variados;
  5. Pela zona Rosa há ônibus de festa. Você está andando pelas ruas e de repente vê um ônibus todo estlizado, cheio de gente dentro com música alta, fazendo muita algazarra;
  6. Os taxis são bem baratos, mas sugiro que você negocie antes ou peça o taxímetro, para não ter surpresas;
  7. Se é um apaixonado por chá, vá em uma lojinha chamada Tea Shop (El Retiro Centro Comercial, Calle 81 num 11.94 Piso 3 Loja 235 - www.teashop.com.co). Prepare-se para ficar doido. A loja é linda e tem uma variedade enorme de chás;
  8. Comprar café é quase obrigatório no país que considera ter o melhor café do mundo. É um ótimo presente;
  9.  A Carrera 7, na altura do Hotel Hilton, fica fechada aos domingos e muita gente corre, passeia e anda de bicicleta. É uma delícia!
  10. Se você sofrer de soroche (o mal da altitude, que pode causar dificuldade de respiração, enjoos, mal estar) busque chá de coca. Vi vendendo lá no Monserrate. Mas lembre-se: se o mal estar for muito forte, procure um médico imediatamente.
 Aproveite esta cidade encantadora e traga de volta para o Brasil suas próprias histórias e impressões.

sexta-feira, 14 de junho de 2013

Onde COMER em BOGOTÁ, Colômbia




Para um lanche ou café, não deixe de ir no Juan Valdez Café. Aliás, se você gosta de café, tem que ir no Juan Valdez. É a marca mais famosa do país (na verdade, uma associação de marcas) e tem em toda esquina. A variedade de tipos de café é grande. É o lugar perfeito para comprar pacotes do famoso café colombiano para levar para casa.

Sanduiche natureba de beringela com queijo

Um clássico: carne com batata frita
Ceviche de salmão com grãos de milho

La Plaza

A tenda dos pescados


La Plaza

Ceviche de camarão com abacate e plátano

La Plaza com a tenda de sucos ao fundo


O cardápio dos pescados

Sempre tem muito movimento no local

A tenda de sanduiches

A entrada de La Plaza de Andrés, com a lojinha ao fundo.
La Plaza de Andrés é um dos lugares mais legais onde comemos em Bogotá. É bem democrático e tem opção para todos os paladares. O lugar é colorido, estiloso e alegre. Está sempre cheio de gente. Tem uma mais antigo e tradicional, mas eu fui no que fica no Shopping El Retiro, Zona Rosa.

O lugar é uma grande "praça", dentro do shopping, com diversas tendas, cada uma com uma especialidade e um estilo: carnes, pescados, sanduiches, sopas, sucos, saladas, etc. Você escolhe sua tenda, sua comida e onde quer sentar. Tudo o que comemos lá estava delicioso.

E ainda tem uma lojinha com a marca La Plaza de Andrés com coisas lindas. Dá vontade de comprar tudo.

Ajiaco

Ajiaco no detalhe

Os acompanhamentos do ajiaco

La Puerta de la Tradición

La Puerta de La Tradicion: com fila
Para comer uma comida típica pode experimentar o La Puerta de la Tradicion. Fica na Candelaria, a região histórica de Bogotá. É uma biboquinha, pequena e apertada e fica lotado porque o lugar é bom. E a comida chega rápido.

O prato que mais sai é o ajiaco. Aí você pode pensar assim: sopa no almoço? Pois eu recomendo: arrisque-se! Em Bogotá, como os bogotanos.

O La Manzana é prático

O cardápio é variado

Robalo a la plancha
Nos  Museos del Banco de la República há um restaurante chamado La Manzana. Como fica dentro do complexo de museus (onde fica o maravilhoso Museu Botero e a Casa da Moeda) é uma facilidade ter este restaurante aí. Assim, você não precisa interromper sua visita para buscar um lugar para almoçar e ainda experimenta uma comida gostosa.

Ceviche de peixe branco com milho e molho picante

Difícil escolher

Tartare de salmão

Cevicheria Central

Cevicheria Central
Lugar descolado e cheio de gente bonita. Além disso, o cardápio está repleto de opções maravilhosas de ceviches. Você escolhe o tipo de ceviche que você quer e o molho. E então é só se deliciar. Assim é a Cevicheria Central. 

O restaurante fica no agito da Zona Rosa e sempre tem fila na porta. Chegue cedo ou então reserve. Se você é fã de ceviche como eu, não deixe de ir.

Gyros &  Kebab

Gyros &  Kebab



Gyros &  Kebab


Também na Zona Rosa, o Gyros & Kebab tem uma decoração bacana, assim como a apresentação dos pratos. Mas eu não gostei do Gyros & Kebab. O atendimento foi atrapalhado e bem demorado. E não achei a comida grande coisa.

Estes foram os restaurantes que experimentei em Bogotá. As opções são muitas e come-se muito bem na cidade. Há lugar de todo tipo e de toda influência mundial.

Para mim, disparado os melhores pratos foram sempre os de ceviche. Eles tem bons pescados e fazem esta especiaria de diversas maneiras. Nunca dá para enjoar.

sexta-feira, 31 de maio de 2013

A ZONA ROSA de Bogotá, Colômbia:

Um domingo à tarde


Lugar obrigatório para visitar em Bogotá é a Zona Rosa. O lugar é uma mistura da chique e famosa Oscar Freire com a descoladinha e animada Vila Madalena, ambas em São Paulo. Muitos bares e restaurantes. Lojas e dois shoppings: El Retiro e Andino.

Sexta à noite


Sábado à noite


Especialmente à noite a Zona Rosa fica  bem movimentada. É uma mistura bacana de estilos que interagem: gente no salto e no glamour e gente mais desencanada, calçando tênis (tênis fashion, diga-se). Fomos na sexta e no sábado lá e encontramos muita animação, lojas abertas e filas nos resturantes. 

No domingo voltamos para almoçar. O movimento estava bem menor, as lojas fechadas e nem todo restaurante estava aberto, mas mesmo assim, havia pessoas pelas ruas e um charme diferente da boêmia noturna. Um clima mais família.

No início de Janeiro, quando estive na cidade, todas as lojas estavam em liquidação.

O Hotel Hilton fica mais próximo da Zona Rosa que o Ibis.