quinta-feira, 11 de julho de 2013

O lado brasileiro das CATARATAS DO IGUAÇU, Foz do Iguaçu, Paraná, Brasil


 



Nada do que eu escreva conseguirá descrever a exuberância e a beleza das Cataratas do Iguaçu. Então nem vou me atrever. Sintam um pouco pelas fotos e se organizem para visitar algum dia.

Visitei em uma sexta de Maio. Temperatura agradável, em torno dos 20 graus, sem chuva. Infelizmente foi uma visita rápida porque o meu voo atrasou. Tivemos então poucas horas para apreciar tudo isso.

Compramos os bilhetes na entrada do parque e tomamos o ônibus até o fim de linha. Sugiro que, se for nos meses mais frios, vá na parte de baixo do ônibus. Se resolver ir na parte de cima, para ver melhor a natureza, agasalhe-se muito, porque com toda aquela vegetação e com o busão em movimento, o frio é intenso.

Almoçamos em uma lanchonete que tem no ponto final dos ônibus do parque. Tem uma vista linda para as quedas d´água (daqui conseguimos ver a Garganta do Diabo, talvez a catarata mais impressionante de todas com 150 metros de largura e 700 metros de comprimento) e muitos quatis querendo roupar seu lanche. Não vacile que eles são rápidos. 




Depois do almoço/lanche,caminhamos de volta pelo mesmo caminho do ônibus, por uns 10 minutos, para pegarmos o acesso às pontes que margeiam as cataratas (Pergunte ao motorista do ônibus onde você deve descer para iniciar a visita, se não quiser ir até a lanchonete). É mesmo um espetáculo belíssimo da natureza. Não tem como não ser lugar comum diante da força daquele conjunto de 275 cachoeiras.

Fico imaginando o que não deve ter sentido Cabeza de Vaca, o primeiro europeu (espanhol de Sevilla) a ver as Cataratas do Iguaçu, lá pelo século XVI!

Fomos caminhando junto com todos os outros turistas e tirando fotos e ficando maravilhados. É possível fazer este passeio em cerca de duas horas se você não for do tipo meditativo. 




Em determinado momento, já quase no final do passeio, há uma passarela que avança pelas cachoeiras, passa ao lado delas e você caminha sobre as águas (a ponte tem o piso furadinho) e sente toda a força do lugar. 

Molha. Logo na entrada, onde compramos os bilhetes, há pessoas vendendo capa de chuva. Não comprei e não me arrependo. Não acredito que a capa fosse ajudar muito porque molha as pernas e os pés. Mas se você tem uma capa de chuva em casa, não custa nada levar.

Pensando nisso, fique atento ao sapato. Melhor um tênis. Porque se o volume das águas estiver muito alto tudo fica úmido e escorregadio. Havia uma garota de salto agulha e ela estava sofrendo muito para caminhar.



No final, chegamos novamente no local onde fica a lanchonete e os quatis. Ali pegamos o ônibus de volta à entrada e ao estacionamento onde deixamos o carro. 

Aí há uma lojinha de souveniers: caro como toda loja deste tipo, mas com bastante variedade de objetos.



Se você precisar de mais detalhes: Parque Nacional do Igauçu

quinta-feira, 4 de julho de 2013

BISTRÔ OUVIDOR, no centro do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil

Eu adoro o centro do Rio. Acho charmoso. Sei que tem muito da decadência típica da maioria das capitais brasileiras: sujeira, mendicância, insegurança, gente demais e sempre apressada, prédios abandonados, onde antes era glamour e riqueza. Mesmo assim, acho que o Rio conseguiu manter um certo charme em meio a este caos moderno com suas ruazinhas estreitas e uma nesga do Rio antigo.

Primeiro andar do Bistrô Ouvidor

Gosto de andar por ali e de comer por ali. Desta vez almocei no Bistrô Ouvidor, um lugar lindo, misturando o novo e o velho. Luzes indiretas para um clima aconchegante e o mais importante: comida deliciosa. É um pouco barulhento (estava lotado) e isso incomoda porque o local é pequeno, embora tenha dois andares. 

Pato com molho de jaboticaba e pure de batata baroa

Um bom vinho para acompanhar
Eu comi um pato com molho de jaboticaba e pure de batata baroa sensacional (R$42,00). Um bom vinho para acompanhar. Este é um dos pequenos prazeres da vida.

http://www.bistroouvidor.com.br/wordpress/
Rua do Ouvidor, 52 - Centro - Rio de Janeiro
Tels: (21)2509-5883 / (21)9385-7417
SEGUNDA à SEXTA de 11h às 18h - SÁBADOS de 11h às 15h